Cafeína aumenta a enzima que pode proteger contra a demência



Cientistas da Universidade de Indiana identificaram 24 compostos que aumentam a produção cerebral da enzima NMNAT2, que ajuda a prevenir a formação desses emaranhados associados a distúrbios neurodegenerativos como a doença de Alzheimer.


Cientistas da Universidade de Indiana identificaram 24 compostos que aumentam a produção cerebral da enzima NMNAT2, que ajuda a prevenir a formação desses emaranhados associados a distúrbios neurodegenerativos como a doença de Alzheimer.
Crédito: Imagem cedida pelo Instituto Nacional sobre o Envelhecimento





O efeito protetor da enzima, chamada NMNAT2, foi descoberto no ano passado através de pesquisas conduzidas em IU Bloomington. O novo estudo aparece hoje na revista Scientific Reports .


"Este trabalho poderia ajudar nos esforços para desenvolver medicamentos que aumentam os níveis desta enzima no cérebro, criando um " bloqueio químico"contra os efeitos debilitantes de doenças neurodegenerativas", disse Hui-Chen Lu, que liderou o estudo. Lu é professora no Centro de Ciências Biomoleculares e do Departamento de Ciências Psicológicas e Cérebro, uma parte do IU Bloomington College of Arts and Sciences.

Anteriormente, Lu e seus colegas descobriram que o NMNAT2 desempenha dois papéis no cérebro: uma função que protege os neurônios do estresse e uma "função guia" para combater as proteínas mal formadas (anormais)chamadas de tau (As proteínas tau são proteínas que estabilizam os microtúbulos. São abundantes nos neurônios do sistema nervoso central ) , que se acumulam no cérebro como "placas" devido ao envelhecimento. 


As proteínas anormalmente configuradas têm sido associadas a distúrbios neurodegenerativos tais como as doenças de Alzheimer, Parkinson e Huntington, bem como a esclerose lateral amiotrófica, também conhecida como ALS ou doença de Lou Gehrig. A doença de Alzheimer, a forma mais comum desses distúrbios, afeta mais de 5,4 milhões de americanos, com números esperados a subir à medida que a população envelhece.

Para identificar substâncias com potencial para afetar a produção da enzima NMNAT2 no cérebro, a equipe de Lu analisou mais de 1.280 compostos, incluindo fármacos existentes, usando um método desenvolvido em seu laboratório. Um total de 24 compostos foram identificados como tendo potencial para aumentar a produção de NMNAT2 no cérebro.

Uma das substâncias mostradas para aumentar a produção da enzima foi a cafeína, a qual também demonstrou melhorar a função de memória em ratinhos geneticamente modificados para produzir altos níveis de proteínas tau mal formadas.


Para confirmar o efeito da cafeína, os pesquisadores da IU administraram cafeína a camundongos modificados para produzir níveis mais baixos de NMNAT2. Como resultado, os ratinhos começaram a produzir os mesmos níveis da enzima que os ratinhos normais.


Outro composto encontrado que fortemente induziu a produção de NMNAT2 no cérebro foi o rolipram, um "medicamento " cujo desenvolvimento como antidepressivo foi descontinuado em meados da década de 1990. O composto permanece de interesse para os pesquisadores do cérebro devido a vários outros estudos que tem mostrando evidências de que poderia reduzir o impacto de proteínas emaranhadas no cérebro.

Outros compostos no estudo aumentaram a produção de NMNAT2 no cérebro - embora não tão fortemente como a cafeína ou rolipram - foram ziprasidone, cantharidin, wortmannin e ácido retinóico. O efeito do ácido retinóico pode ser significativo, uma vez que o composto deriva da vitamina A, disse Lu.

Foram identificados 13 compostos adicionais com potencial para diminuir a produção de NMNAT2. Lu disse que esses compostos também são importantes porque a compreensão de seu papel no corpo pode levar a novas pesquisas sobre como eles podem contribuir para a demência.

"Aumentar nosso conhecimento sobre os caminhos no cérebro que parecem naturalmente causar o declínio desta proteína é tão importante quanto identificar compostos que poderiam desempenhar um papel no tratamento futuro desses transtornos mentais debilitantes", disse ela.


Traduzido e Editado
Se copiar é obrigatório citar o link do Blog AR NEWS

História Fonte:

Materiais fornecidos pela Universidade de Indiana .

Comentários