3/20/2017

Doença do sono africana também pode ser transmitida e disseminada através da pele



"O papel da pele de mamíferos em abrigar e transmitir parasitas protozoários transmitidos por artrópodes tem sido negligenciado durante décadas, uma vez que estes agentes patogênicos foram considerados principalmente como organismos que habitam o sangue. "Dra. Annette MacLeod


Localização Extravascular de tripanossomas durante uma infecção.




A equipe de pesquisadores do Centro de Parasitologia Molecular da Universidade de Glasgow e do Instituto Pasteur em Paris descobriram que a pele desempenha um papel importante, mas negligenciado no abrigo e transmissão do parasita da doença do sono.




A doença, que mata milhares de pessoas na África Subsaariana todos os anos, é transmitida principalmente aos seres humanos através da mordida de uma mosca infectada chamada de tsé-tsé .


O novo estudo , conduzido pela Dra. Annette MacLeod, mostra definitivamente que quantidades substanciais de tripanossomas que causam a doença existem dentro da pele e podem ser transmitidos de volta para o vetor , a mosca tsé-tsé, mesmo na ausência de sinais detectáveis ​​de infecção no animal ou de Parasitas no sangue.

Os pesquisadores também foram capazes de observar a presença de parasitas em biópsias de pele humana de indivíduos que não apresentaram sintomas. As descobertas do estudo sugerem que os parasitas da pele podem ser suficientemente abundantes nesta região para serem ingeridos, transmitidos e capazes de espalhar ainda mais a doença.

MacLeod disse: "Nossos resultados têm implicações importantes no que diz respeito à erradicação da doença do sono. Em primeiro lugar, nossos achados indicam que os métodos diagnósticos atuais, que dependem da observação de parasitas no sangue, devem ser reavaliados e devem incluir o exame da pele a procura de parasitas. Em termos de tratamento, também pode ser necessário desenvolver novas terapêuticas capazes de alvejar fontes de infecção fora da circulação sanguínea e nos reservatórios debaixo da pele ".

MacLeod acrescenta que os resultados também sugerem a necessidade de uma reavaliação das políticas de controle de doenças. A política atual da Organização Mundial de Saúde é evitar o tratamento de pessoas que não apresentam sintomas de doença do sono, a menos que se detectem parasitas no sangue, devido à longa duração e alta toxicidade do tratamento.


"Esta política deve ser reconsiderada à luz da nossa evidência convincente de que esses pacientes representam uma população que alberga e transporta o parasita", diz ela. "Isso ocorre porque a falta de tratamento deles pode ajudar a manter surtos de doenças e explicar esforços previamente frustrados para eliminar este importante patógeno.

Traduzido e Editado
Se copiar é obrigatório citar a fonte
Do artigo original e o link do blog ALAGOAS REAL
História Fonte

https://elifesciences.org/content/5/e17716

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Faça seu comentário