Fisiopatologia da Febre Hemorrágica : vírus da Febre Amarela se reproduz principalmente no fígado


Agora uma equipe de pesquisa liderada por um cientista biomédico da Universidade da Califórnia, Riverside determinou que o vírus da febre amarela, um dos inúmeros vírus que causam  febre hemorrágica, se reproduz principalmente no fígado. Portanto, outros órgãos  muitas vezes são afetados por causa  da agressão primária nos hepatócitos.

Febre Amarela : Reprodução viral no fígado



A febre amarela é uma doença que pode resultar em sintomas que vão desde febre a danos hepáticos graves. Encontrado na América do Sul e África subsaariana, a cada ano a doença resulta em 200.000 novos casos e mata 30.000 pessoas. Cerca de 900 milhões de pessoas correm o risco de contrair a doença.





Quando o vírus atinge o fígado, ele se replica rapidamente causando danos significativos às células hepáticas. No processo, as citocinas inflamatórias - proteínas segregadas pelas células especialmente do sistema imunológico - são liberadas em quantidades maciças, que logo ganham acesso à corrente sanguínea. Essas citocinas são as mais prováveis ​​responsáveis ​​pelos danos aos órgãos distantes, sugerem os achados da equipe de pesquisa.

A equipe de pesquisa também identificou um parâmetro clínico que poderia ajudar muito no manejo de casos de febre amarela.


"A febre amarela causa severa perda de linfócitos", disse Ilhem Messaoudi, professor associado de ciências biomédicas na UC Riverside School of Medicine, que liderou o projeto de pesquisa. "Este processo, chamado linfopenia, ocorre antes de qualquer alteração mensurável nas enzimas hepáticas e pode ser detectado - ou seja, cerca de um dia antes de existir mudanças no fígado.Ele poderia fornecer uma medida de resultado clínico anterior da gravidade da doença subseqüente, dando a Médicos uma boa ferramenta de prognóstico para oferecer mais apoio na conduta para estes pacientes. "

Os resultados do estudo aparecem em PLOS  Doenças Tropicais Negligenciadas.

A pesquisa, realizada em macacos rhesus (atualmente, o melhor modelo para estudar a infecção de febre amarela humana) no Oregon National Primate Research Center, é o primeiro estudo sobre a febre amarela em primatas não humanos em mais de 20 anos.

"A febre amarela é verdadeiramente uma doença tropical negligenciada", disse Messaoudi. Embora seja verdade que há uma vacina altamente eficaz, continua a ser extremamente difícil obter uma cobertura abrangente de vacinas na África subsaariana e na América Latina. Além disso, a vacina funciona bem até  55 anos de idade,e não é segura para bebês ou idosos, que poderiam desenvolver febre amarela por uso da vacina ".

Segundo Messaoudi, uma boa compreensão da fisiopatologia da febre amarela em um modelo animal robusto dá aos pesquisadores também um modelo animal pré-clínico para testar novas vacinas inativadas, o que seria muito mais seguro para lactentes e idosos.

Ela explicou que a febre amarela é caracterizada por duas fases. 


Durante a fase aguda, o paciente tem febre e mialgia - não exatamente sintomas específicos da doença. Estes sintomas duram cerca de 48 horas. Enquanto a maioria das pessoas é capaz de resolvê-los, alguns entram em remissão em que a febre desaparece por cerca de 24 horas apenas para ser seguido pela fase tóxica em que as cargas virais aumentam muito. Amarelamento da pele e dos brancos dos olhos (que é o que dá a doença o seu nome) é uma consequência da insuficiência hepática.

"Cerca de 30 por cento das pessoas não vacinadas que contraem a doença atravessam a fase tóxica, que pode ser fatal", disse Messaoudi.




Messaoudi explicou que a vacinação dos animais induziu a expressão de 46 genes, a maioria dos quais foram regulados e nos caminhos de imunidade antiviral. Por outras palavras, a vacina induziu a regulação positiva de muitos genes que eram bons para a produção de anticorpos para proteção mais tarde, em contraste com o vírus de tipo selvagem que induzia alterações que suprimiam a imunidade e causavam a morte celular.

"A questão é: podemos usar a expressão gênica como um diagnóstico na clínica?" Disse Messaoudi. "Poderíamos fazer uma análise rápida sobre os glóbulos brancos dos pacientes e determinar qual a pessoa infectada está em alto ou baixo risco?" Suporte de acompanhamento seria seguir  todos os pacientes, mas iria mudar a dinâmica de quão agressivo o tratamento precisa ser.

A febre amarela não infecta qualquer espécie além de primatas. Surtos em primatas têm levado a surtos em seres humanos. O vírus é endêmico ou intermitentemente epidêmico em 45 países (32 na África e 13 na América do Sul). A febre amarela é uma causa muito rara de doença em viajantes dos EUA. De acordo com o Centro de Controle de Doenças, "não há tratamento específico para a febre amarela, o cuidado é baseado nos sintomas." Passos para prevenir a infecção pelo vírus da febre amarela incluem usar repelente de insetos, vestindo roupas de proteção e vacinação.

Em seguida, Messaoudi e seus colegas planejam estudar a expressão gênica de animais que sobrevivem à infecção. Eles também planejam identificar proteínas virais responsáveis ​​pela supressão do sistema imunológico, o que poderia levar a terapias antivirais.


Traduzido e Editado
Se copiar é obrigatório citar o link do Blog AR NEWS
História Fonte:

Materiais fornecidos pela Universidade da Califórnia - Riverside .

Comentários