Primeira vacina oral contra Ebola para salvar macacos selvagens



"Em um mundo ideal, não haveria necessidade de chimpanzés cativos", diz Walsh. "Mas este não é um mundo ideal, é um mundo onde doenças como o Ebola, juntamente com a caça comercial e a perda de habitat, são os principais contribuintes para a rápida diminuição das populações de macacos selvagens.


vacina contra ebola
Um dos chimpanzés cativos no ensaio de pesquisa que recebeu a vacinação oral contra o Vírus Ebola.
Crédito: Matthias Schnell





O ensaio foi de uma vacinação para Ebola: a primeira vacina administrada por via oral com a finalidade de preservar macacos selvagens.





Além da caça furtiva e perda de florestas, doenças como Ebola e antraz devastaram populações de macacos selvagens. Ebola sozinho pode ter matado um terço dos gorilas selvagens do mundo durante as últimas três décadas.

Agora, novas descobertas mostraram uma efetiva vacina oral para Ebola em chimpanzés, e que os animais cativos envolvidos no ensaio exibiram muito poucos sinais de estresse como resultado. Os pesquisadores dizem que o trabalho demonstra um modelo que poderia ser aproveitado para outras doenças e espécies de macacos na natureza.

No entanto, após décadas de uso de chimpanzés para testar vacinas destinadas a seres humanos, mudanças na lei forçaram o fechamento de instalações de pesquisa de chimpanzés nos EUA - o último país onde os testes biomédicos em chimpanzés eram legais.

No que os pesquisadores descrevem como uma "horrível ironia", eles dizem que essas reformas - uma vitória para campanhas de longa data por grupos de bem-estar animal - acabará por ser prejudicial para chimpanzés e gorilas na natureza. Como segurança , qualquer vacinação para animais selvagens deve ser primeira utilizada em cativeiro para garantir a sua total segurança.

Conseqüentemente, o modelo promissor da nova vacina pode nunca progredir para ser usada em macacos selvagens ameaçados, dizem a equipe de pesquisa das universidades de Cambridge, Reino Unido, e Thomas Jefferson em Louisiana, EUA.

"Em 2014 o mundo foi dominado pelos temores de uma pandemia de vírus Ebola, mas poucas pessoas percebem que o Ebola já infligiu mortalidade em escala pandêmica aos nossos parentes mais próximos", disse o pesquisador Peter Walsh, da Universidade de Cambridge.

"Os macacos africanos também estão ameaçados por patógenos de ocorrência natural como o antraz, e o crescente excesso de patógenos humanos, como o sarampo.Um vislumbre de esperança reside no fato de que muitas das ameaças da doença são agora evitáveis por vacinas.

"Desenvolvemos uma ferramenta muito promissora para inocular em espécies de macacos contra várias doenças mortais que enfrentamos na natureza, mas o progresso contínuo depende do acesso a um pequeno número de animais em cativeiro.


"Este teste pode ser o último com vacina em chimpanzés em cativeiro : um sério revés para os esforços para proteger nossos parentes mais próximos dos patógenos que os empurram cada vez mais perto da extinção na natureza".

As tentativas anteriores de vacinar os macacos selvagens recorriam à administração de animais individuais com dardos hipodérmicos - uma tarefa laboriosa viável para apenas um pequeno número de macacos habituados à abordagem humana. Em contraste, as vacinas orais envolvidas em iscas atraentes comestíveis poderiam ser distribuídas em territórios de macacos selvagens para inocular grandes números durante períodos mais longos.

Tal abordagem já provou ser bem sucedida em outras espécies: quase eliminando a raiva da raposa (e a conseqüente não necessidade de abate de raposas) em toda a Europa continental.

O último estudo foi realizado com dez chimpanzés em uma das últimas instalações de pesquisa de chimpanzés nos EUA no estado de Louisiana. Seis receberam a vacina oral, enquanto quatro foram injetados como um grupo de controle.

Todos os animais mostraram uma imunidade robusta sem efeitos colaterais após 28 dias - quando o estudo foi encerrado devido à nova Lei de Espécies Ameaçadas que proíbe a investigação biomédica em chimpanzés.

Ao longo do ensaio, os cientistas acompanharam de perto o comportamento animal e a fisiologia dos sinais de estresse severo. Além da perda de peso que foi muito menor (2% da massa corporal), eles dizem que os sinais de trauma estavam "inteiramente ausentes."

"Alguns grupos de defesa dos animais argumentam que toda pesquisa sobre chimpanzés em cativeiro é equivalente à tortura, não apenas por causa de procedimentos, mas também devido ao confinamento", diz Walsh.

"Os cativeiros e cuidados com os animais são agora de um padrão muito elevado, com chimpanzés alojados em grandes espaços sociais.Os vestígios modestos de estresse que detectamos durante o nosso estudo foram semelhantes aos valores observados em estudantes universitários antes dos exames".

Os ensaios de chimpanzé em cativeiro são tecnicamente legais nos EUA em casos que beneficiam a espécie. No entanto, Walsh diz que os fundos limitados disponíveis para a pesquisa de conservação torna inviável para instalações biomédicas manter as populações.

O trabalho adicional para melhorar a vacina, tal como assegurar a eficácia após a exposição às temperaturas altas da floresta tropical, pode agora nunca começar a ser feita devido ao fechamento de cativeiros de chimpanzés.

"Em um mundo ideal, não haveria necessidade de chimpanzés cativos", diz Walsh. "Mas este não é um mundo ideal, é um mundo onde doenças como o Ebola, juntamente com a caça comercial e a perda de habitat, são os principais contribuintes para a rápida diminuição das populações de macacos selvagens.

"As vacinas orais oferecem uma oportunidade real para retardar este declínio." A dívida ética principal que devemos não é a alguns animais prisioneiros, mas à sobrevivência de uma espécie inteira que nós humanos estamos destruindo na vida selvagem: nossos parentes mais próximos. "




Traduzido e Editado
Se copiar é obrigatório citar o link do Blog AR NEWS


História Fonte:

Materiais fornecidos pela Universidade de Cambridge

Comentários