3/25/2017

Vírus da Influenza sazonal A, Subtipo H3N2

Influenza sazonal A Subtipo H3N2  : Ele foi detectado pela primeira vez em Hong Kong , no verão de 1968. Mais tarde, se espalhou pelo mundo , causando uma pandemia que foi chamada de Hong Kong Flu , constituindo a terceira pandemia de gripe humana do século XX 


"A vacinação anual contra a gripe é o método mais eficaz para prevenir a influenza e suas complicações".

Influenza A Virus H3N2 Subtype


Influenza sazonal


Os vírus influenza sazonais circulam causando doenças em humanos anualmente. Em regiões de climas temperados, os casos de influenza tendem a ocorrer sazonalmente nos meses de inverno, disseminando de pessoa a pessoa por meio de espirros, tosses ou contato om superfícies contaminadas. Vírus influenza sazonal pode causar infecção branda a grave, inclusive óbito. Pessoas com alto risco de complicações graves incluem gestantes, idosos, crianças com menos de 2 anos, pessoas imunocomprometidas e pessoas com alguma comorbilidade.


O vírus influenza sazonal evolui continuamente, possibilitando que as pessoas se infectem várias vezes durante a vida. Assim, os componentes da vacina sazonal são revisados frequentemente e atualizados periodicamente para assegurar a continua efetividade da vacina.

Existem 3 tipos de vírus influenza sazonais: influenza A, B e C. Os vírus influenza tipo A são divididos em subtipos de acordo com a variedade e combinação de duas proteínas de superfície, a hemaglutinina (HA ou H) e a neuraminidase (NA ou N). Atualmente, influenza A(H1N1) e A(H3N2) são os subtipos sazonais que estão circulando. O vírus sazonal A(H1N1) é o mesmo vírus que causou a pandemia de influenza em 2009, e agora circula sazonalmente. Os vírus influenza tipo B que circulam sazonalmente são de duas linhagens diferentes, Victória e Yamagata, nomeadas de acordo com o local onde foram primeiramente identificadas. Os vírus influenza tipo C causam infecções mais brandas e estão associados com casos esporádicos. Por não ter impacto na saúde pública, esse tipo de vírus influenza não compõe a vacina sazonal contra influenza.



Influenza Pandêmica

Uma pandemia ocorre quando um vírus influenza que não circulava anteriormente em humanos, e contra o qual a maioria as pessoas não possui imunidade, emerge e é transmitido a humanos. Esses vírus podem emergir, circular e causar grandes epidemias fora da temporada de influenza. Como a maioria da população não tem imunidade contra esses vírus, a quantidade de pessoas na população que podem se infectar é grande.

Algumas pandemias podem resultar em um grande número de infecções graves. A pandemia mais notória que se tem registro é a “gripe espanhola” de 1918-1919 que causou mundialmente cerca de 20 a 50 milhões de mortes. Pandemias subsequentes em 1957 e 1968 resultaram em menor número de mortes apesar de uma grande quantidade da população mundial ser susceptível.

Em 2009, uma linhagem de vírus A(H1N1), nunca identificada anteriormente, emergiu se disseminando por todo o mundo, causando a pandemia de H1N1 2009. Esse vírus A(H1N1)2009 pandêmico tem circulado mundialmente desde 2009, e agora já está estabelecido com na população humana como um vírus influenza sazonal, conforme descrito acima.

Atualmente, não existe vírus influenza pandêmico circulando mundialmente.



Influenza variante ou zoonótico

Humanos também podem se infectar com vírus influenza que circulam rotineiramente em animais, como os subtipos de vírus influenza aviários A(H5N1) ou A(H7N9). Outras espécies, incluindo cavalos e cachorros, também possuem seus subtipos de vírus influenza A.

Os vírus influenza animais são distintos dos vírus influenza humanos e não são transmitidos facilmente entre humanos. Alguns ocasionalmente infectam humanos, podendo causar infecções com complicações graves e inclusive óbito. Geralmente infecções humanas com um vírus influenza zoonótico são adquiridas por meio de contato direto com animais infectados ou ambientes contaminados, e não se disseminam facilmente entre humanos.

Se um vírus zoonótico adquire a capacidade de se disseminar pessoa a pessoa, por meio de adaptação ou rearranjo, ele se torna capaz de iniciar uma epidemia ou uma pandemia. Ao longo das décadas passadas, houve várias ocasiões de transmissão esporádica de vírus influenza de animais para humanos.

Quando um subtipo de vírus influenza A (H3N2), circulante de suínos, começou a infectar humanos nos Estados Unidos em 2011, ele recebeu o termo “variante” (com um “v” colocado após o nome do vírus) com o intuito de distinguir dos vírus humanos do mesmo subtipo. A terminologia “variante” é usada apenas para outros vírus influenza não sazonais de um mesmo subtipo de vírus influenza sazonal humano, particularmente os vírus H1 e H3 circulantes em suínos quando detectados em humanos.

Outros vírus animais, como por exemplo vírus influenza aviário A(H5N1) e A(H7N9), que infectam humanos são simplesmente chamados de vírus influenza aviários ou vírus influenza zoonóticos.

Quando um vírus influenza animal infecta seu hospedeiro animal natural, ele é denominado de acordo com o hospedeiro, sendo vírus influenza aviário, vírus influenza suíno, vírus influenza equino, etc. Assim, o termo “gripe suína” se refere a vírus influenza suíno infectando suínos e nunca a esse vírus infectando humano.



Como ocorrem mudanças no vírus influenza

As mudanças no vírus influenza podem ocorrer de duas formas: “antigenic drift” e “antigenic shift”.

“Antigenic drift” ou variação antigênica – São pequenas variações, mutações, nas proteínas da superfície do vírus que leva a produção de novas amostras dentro de um mesmo subtipo viral. Essa variação antigênica ocorre frequentemente e faz com que o sistema imunológico não reconheça as novas amostras virais. Esse processo ocorre da seguinte forma: quando uma pessoa é infectada por uma amostra de vírus influenza, ela desenvolve anticorpos contra este vírus. Com o surgimento de novas amostras desse mesmo subtipo viral, os anticorpos contra a amostra antiga não consegue reconhecer as novas amostras e infecção pode ocorrer. Essa á a principal razão pela qual uma pessoa pode adquirir influenza mais de uma vez ao longo da vida. Devido a essa variação antigênica, a composição da vacina contra influenza é revista anualmente e as amostras vacinais componentes são atualizadas de acordo com os vírus influenza circulantes. Por isso, a necessidade de se vacinar anualmente contra influenza.

“Antigenic shift”, rearranjo genômico ou mudança antigênica – ocorre apenas nos vírus influenza A e são grandes mudanças antigênicas resultado de rearranjo genômico. Como resultado de um rearranjo, ocorre o surgimento de nova hemaglutinina e/ou neuraminidase em um vírus influenza que infecta humanos. Esses novos subtipos de vírus influenza A emergem a partir de uma população animal e são tão distintos dos subtipos que circulam em humanos que a maioria da população não possui imunidade contra o novo subtipo viral. Uma mudança antigênica ocorreu em 2009, quando um novo vírus H1N1 com uma nova combinação com genes de origem humana, aviária e suína emergiu, infectando humanos e se disseminando rapidamente causando uma pandemia.

Enquanto os vírus influenza estão em constantes mudanças por meio de variações antigênicas (“antigenic drift”), as mudanças antigênicas (“antigenic shift”) ocorrem apenas ocasionalmente. Os vírus influenza A sofrem ambos os tipos de mudança, enquanto as mudanças nos vírus influenza B são mais graduais por meio das variações antigênicas.




Outras informações de relevância para o agravo

O potencial pandêmico da Influenza reveste-se de grande importância. Durante o século passado, ocorreram três importantes pandemias de Influenza: “Gripe Espanhola” de 1918 a 1920; “Gripe asiática” entre 1957 a 1960 e a gripe de “Hong Kong”, entre 1968 a 1972. Destaca-se ainda uma pandemia de 1977 a 1978, chamada de “Gripe Russa”, que afetou principalmente crianças e adolescentes, e recentemente a “Gripe Influenza Pandêmica (H1N1) 2009”, que se propagou rapidamente por vários países.

Com os modernos meios de transporte, principalmente o transporte aéreo, o deslocamento de pessoas pelo mundo se tornou maior e mais rápido; assim, a disseminação do vírus da Influenza tornou-se mais rápida. Hoje um mesmo subtipo viral pode circular, ao mesmo tempo, em várias partes do mundo, causando epidemias quase simultâneas.

Destaca-se ainda a ocorrência de transmissão direta do vírus Influenza aviária de alta patogenicidade A (H5N1) ao homem, gerando surtos de elevada letalidade. A transmissão da gripe aviária, geralmente, não ocorre de pessoa a pessoa. A transmissão em seres humanos ocorre através de contato direto com secreções de animais doentes ou contato indireto em ambientes contaminados como granjas, feiras ou abatedouros de animais vivos. Este fenômeno foi detectado pela primeira vez em 1997, em Hong Kong, quando 18 pessoas foram afetadas, das quais 6 morreram (letalidade 33,3%). No Brasil, até o momento não há casos de influenza aviária A (H5N1) ou A (H7N9), no entanto o país por meio do Ministério da Saúde procura manter-se atualizado e vigilante frente ao monitoramento das amostras virais circulantes no país e no mundo.

História Fonte
http://portalsaude.saude.gov.br
healio
CDC


Nenhum comentário :

Postar um comentário

Faça seu comentário