O Tráfico de jalecos brancos ( Médicos e paramédicos Cubanos)

Médicos e paramédicos Cubanos no exterior


ONG adverte a Relatora da ONU que ela não visitará "uma sociedade aberta"

A relatora da ONU responsável pela investigação dos casos relacionados ao tráfico de pessoas vai visitar Cuba na próxima semana.




O mercado de escravos negros trazidos da África desenvolvido por colonizadores europeus foi estabelecido como um crime claro contra a humanidade por todos os seres civilizados contemporâneas, sem a menor dúvida. A finalidade desse mercado era "vender" os seres humanos como uma mercadoria para servir como meros instrumentos de produção, especialmente nas plantações de açúcar, café e algodão do Novo Mundo.


Nos séculos XX e XXI o tráfico adquiriu outras conotações que fizeram a ONU abordar a questão como um crime internacional porque ele continua sendo utilizado, embora com formas distinstas daquela escravatura, mas essencialmente com a mesma conotação de submeter as pessoas a exploração da prostituição ou outras formas de exploração sexual, ao trabalho forçado,a escravidão ou práticas similares , a servidão ou a remoção de órgãos. As vítimas foram na sua maioria mulheres e crianças.O governo cubano coleta, transporta e faz transferências de médicos cubanos e paramédicos recorrendo ao abuso de poder sobre seus cidadãos e, especialmente, à situação de vulnerabilidade econômica desses trabalhadores



Por esses dias Maria Grazia Giammarinaro, Relatora Especial das Nações Unidas sobre o tráfico de pessoas, irá visitar Cuba . Para que a distinta visitante conheça um aspecto que deve investigar em Cuba, eu discuto o caso do "tráfico de casacos brancos" ( Médicos e paramédicos) que de uma forma ou outra,já  estamos há muitos anos denunciando em Cuba .


A este respeito, deve ser feita referência à definição do tráfico de pessoas para a ONU.



O Protocolo das Nações Unidas contra o tráfico de pessoas ,é definido por ela mesma como "a ação de recrutamento, transporte, transferência, alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou uso da força ou outras formas de coação, ao rapto, fraude, engano, abuso de poder ou de uma posição de vulnerabilidade ou à entrega ou aceitação de pagamentos ou benefícios para obter o consentimento de uma pessoa que tenha autoridade sobre outra, para fins de exploração".

Depois de ler esta definição, alguém tem alguma dúvida de que as operações do governo cubano para enviar médicos e paramédicos cubanos a países ao redor do mundo para "missões internacionalistas" não constituem verdadeiros tráficos de pessoas para fins de exploração?

O governo cubano recolhe, transporta,faz as transferências dos médicos e paramédicos recorrendo ao abuso de poder sobre seus cidadãos e, especialmente, à situação de vulnerabilidade econômica desses trabalhadores dando certos benefícios insignificantes para esses cubanos, dado o baixo nível dos salários estabelecido pelo próprio governo para seus funcionários, através do qual obtém o consentimento em explorá-los, enquanto se apropria entre 70% e 90% dos salários pagos por governos estrangeiros ou de outras instituições de saúde da própria Organização Mundial da saúde (OMS).


A medicina é uma das tarefas que o Estado Cubano proíbe o exercício, por conta própria, que é outro fator de pressão para forçar os profissionais a "aceitar" missões internacionalistas. Se o auto-emprego fosse autorizado os profissionais aumentariam sua renda e não seriam forçados a "cumprirem as missões."Esses profissionais são impedidos de viajar com suas famílias e Cuba mantém seus filhos e cônjuges como reféns para forçá-los a voltar para o país, e além disso, a família é vítima de coerção extra-econômica. O engano também tem sido usado para conseguir o recrutamento de médicos cubanos e para este fim, têm sido oferecidas vantagens que nunca foram satisfeitas, como a venda de carros.


Para se ter uma ideia da magnitude deste programa o governo cubano, de acordo com o ministro da Saúde Pública Roberto Morales, Cuba tem cerca de 50.000 profissionais trabalhando em mais de 66 países e, de acordo com o jornal oficial do Partido Comunista Granma, o governo recebe cerca de 8.000 milhões de dólares por este trabalho escravo. É a maior entrada de divisas para o país, somente apenas comparável aos recursos provenientes de remessas de cubano-americanos que embarcam alimentos, medicamentos, roupas, eletrodomésticos e passagens para viagens.

Estes elementos são suficientes para acusar o governo cubano de operar um enorme sistema internacional de tráfico de jalecos brancos (médicos e paramédicos) em vários continentes, incluindo violações graves e maciças dos direitos humanos desses cidadãos que são forçados pela realidade da economia a servir como escravos do Estado cubano não recebendo salários justos para o seu trabalho e sendo submetidos a coerção por causa da situação de reféns,que seus parentes estão submetidos


O exemplo mais recente desse grande negócio do governo é a sua recente decisão de impedir os médicos de sair do país livremente como os outros cidadãos, a menos que eles façam através dessas "missões internacionais" .  Se a relatora gostaria de ter informações completas sobre este assunto, bem como ouvir o que o governo cubano tem a dizer sobre isso, deveria reunir-se com algumas das centenas de médicos que decidiram abandonar a sua missão e hoje residem nos EUA ou em outros países.

As organizações de direitos humanos de Cuba, a oposição e grupos dissidentes certamente estarão atentos para que esta questão seja devidamente investigada pela Sra. Relatora Especial da ONU que trata sobre o tráfico de seres humanos, durante a sua viagem a Cuba.



Editado e Traduzido
 Blog AR NEWS
 Se copiar é obrigatório citar o link da postagem

Fonte:
Fonte: 14ymedio
La trata de batas blancas
Em 11 de abril de 2017
Autor:
* Pedro Campos Santos. 1949. Holguin. Lic. Em História. ex-diplomata cubano e colaborador do site Diario de Cuba - defensor do socialismo democrático em Cuba; com missões no México e na CDH em Genebra. Analista de Política Internacional. Investigador Chefe do Projeto na CESEU (Centro de Estudos norte-americanos) na Universidade de Havana.


O Tráfico de jalecos brancos ( Médicos e paramédicos Cubanos) -   Rating: 7 out of 10 -  Blog AR NEWS   

Comentários