Surto de cólera afeta 13 das 18 regiões da Somália, diz ONU


O surto de cólera continua a se espalhar por todas as regiões da Somália

Cerca de 32 mil casos de cólera e 618 mortes relacionadas foram relatadas desde o início de 2017, informou o Escritório das Nações Unidas para Coordenação Humanitária (OCHA) .



O surto de cólera continua a se espalhar por todas as regiões da Somália, em parte devido à escassez generalizada de água, insegurança alimentar e deslocamento que tem colocado as instalações de saneamento além de sua capacidade.

O relatório do OCHA mencionou que a Diarreia Aquosa Aguda está afetando agora 13 das 18 regiões da Somália.



"A maioria dos casos foram relatados nas regiões de Banadir, Togdheer, Lower Shabelle, Hiiraan, Sool, Mudug e Lower Jubba." disse a OCHA em sua atualização mensal de resposta humanitária.
No mês passado, o Ministério da Saúde da Somália e a Organização Mundial de Saúde lançaram uma vacinação de emergência para impedir a propagação da cólera no país, após a morte de dezenas de pessoas, enquanto o país estava à beira da fome que ainda continua a ameaçar a vida de milhões neste país africano. 
Nessa campanha, o governo disse que cerca de 450.000 pessoas receberam a vacina contra a cólera em todo o país.
Atualmente, a taxa de letalidade na Somália é de 1,9 por cento, de acordo com as estimativas do Ministério da Saúde e da OMS.
O atual deslocamento populacional em massa como resultado de secas está agravando a situação enquanto o início da estação chuvosa deve agravar a situação ainda mais nos pontos quentes e ao longo das áreas ribeirinhas.

Bay e Bakool continuam a suportar o peso do surto.

Enquanto isso, um surto de sarampo aumentou ainda mais o fardo de doenças sobre as pessoas afetadas pela seca na Somália. Segundo o último relatório da OCHA, cerca de 5.700 casos suspeitos da doença foram relatados desde o início de 2017, mais do que o número total de casos em 2016.
O sarampo, uma infecção respiratória viral que se propaga através do ar e do contato com muco e saliva infectados, prospera em assentamentos de deslocamentos congestionados e insalubres que se multiplicaram em todo o país à medida que as pessoas fogem da seca.
Durante a fome de 2011, o sarampo, combinado com desnutrição e condições de vida precárias em assentamentos de deslocamento, contribuíram para altos índices de mortalidade entre crianças, que responderam pela metade dos 260 mil acidentes registrados.
Segundo a UNICEF, uma criança que sofre de desnutrição aguda grave é nove vezes mais propensa a morrer de uma doença como o sarampo do que uma criança saudável.

No final de abril, o Ministério da Saúde apresentou um relatório nacional em que o ministério mencionou que 31.764 foram vítimas do surto de cólera e diarreia em 50 locais em todo o país.
O relatório do Ministério da Saúde expressou preocupação com o nível das mortes causadas pelas doenças transmitidas pela água.

Se copiar é obrigatório citar o link do Blog AR NEWS
Fonte:OMS 

Comentários