EUA : o terrorismo como desastre de saúde pública


ataque terrorista no World Trade Center em Nova York
Ataque terrorista no World Trade Center em Nova York 

Via Reuters: os sobreviventes do 11 de setembro enfrentam maior risco de problemas cardíacos e pulmonares .





Os sobreviventes do ataque terrorista no World Trade Center em Nova York em 11 de setembro de 2001 - e os primeiros atendentes que estavam na cena naquele dia - podem ter um risco aumentado de doenças cardíacas e pulmonares, sugere um novo estudo. 

O ataque do World Trade Center expôs milhares de pessoas a concentrações intensas de materiais perigosos que resultaram em relatos de níveis aumentados de asma, doenças cardíacas, diabetes e outros transtornos físicos e psicológicos crônicos, observaram os pesquisadores no periódico Epidemiologia de Lesões. 

Para o estudo atual, os pesquisadores examinaram dados de 8.701 pessoas que estavam no local do World Trade Center no dia dos ataques e não tinham asma, diabetes ou doenças cardíacas e pulmonares. 

Após  11 anos de seguimento, as pessoas feridas naquele dia eram pelo menos duas vezes mais propensas a desenvolver doenças cardíacas que as pessoas que não sofreram lesões do ataque, concluiu o estudo. Ele também encontrou dados que a exposição à poeira e detritos foi associada com chances de 30 por cento maiores de desenvolver asma e doenças pulmonares.

"Este estudo é único na medida em que se concentra em intervenientes e sobreviventes que tiveram exposição intensa à poluição e ao trauma ambiental em 9/11/2001 na cidade de Nova York, mas não depois", disse o autor do estudo, Dr. Robert Brackbill, do World Trade Center Health Registry e o Departamento de Saúde e Higiene Mental da Cidade de Nova York. 

"A principal implicação desses achados é que a exposição intensa no primeiro dia do desastre pode, por si só, aumentar o risco de desenvolver condições crônicas", afirmou Brackbill por email.
Os pesquisadores examinaram dados de 8.701 pessoas no WTC Health Registry, que monitora a saúde física e mental de 71.431 indivíduos expostos aos ataques. O estudo atual incluiu pessoas com maior exposição a lesões e ar contaminado naquele dia: 7.503 trabalhadores da área, 249 trabalhadores de resgate, 131 residentes e 818 pessoas nas ruas circundantes. 

No geral, 41 por cento das pessoas no estudo tiveram exposição intensa à nuvem de poeira no 11 de setembro, 10 por cento tiveram uma única lesão, 2 por cento tiveram duas lesões e 1 por cento tiveram três ou mais feridas. 

Durante a próxima década, 92 pessoas desenvolveram doenças cardíacas, 327 foram diagnosticadas com diabetes, 308 tiveram um novo diagnóstico de asma e 297 desenvolveram doenças pulmonares que não envolveram tumores. 

Quando as pessoas tiveram lesões múltiplas, como fraturas, lesões na cabeça ou entorses, o risco de ter dores no peito ou um ataque cardíaco foi maior do que quando eles tinham apenas um tipo de lesão. 


A exposição à poeira, o transtorno de estresse pós-traumático e o serviço de resgate, bem como o uso atual de tabagismo foram associados a um maior risco de desenvolver doenças pulmonares que não eram câncer ou asma.


Editado e traduzido
Se copiar é obrigatório citar o link do Blog AR NEWS

Fonte: Reuters

Comentários