HGE - AL : sobrecarga de trabalho, falta de material básico e de medicamentos essenciais,diz COREN

Não é a primeira vez que o Coren-AL denuncia as irregularidades encontradas no HGE.
Em fiscalização realizada este ano foi constado que a unidade encontrava-se com superlotação e sobrecarga de trabalho da Enfermagem


O Conselho Regional de Enfermagem de Alagoas (Coren-AL) enviou na última quinta-feira (6 de julho) um ofício de denúncia ao Ministério do Trabalho em Alagoas sobre a situação do Hospital Geral do Estado Dr. Osvaldo Brandão Vilela (HGE). A denúncia consiste nas condições precárias de trabalho dos funcionários da Instituição de Saúde, fator que afeta diretamente a qualidade da assistência prestada aos pacientes daquela Unidade.

Não é a primeira vez que o Coren-AL denuncia as irregularidades encontradas no HGE. A situação do Hospital Geral do Estado já vem sendo acompanhada por esse Conselho desde 2015, quando foi elaborado um relatório de fiscalização denso e completo e enviado a todos os órgãos competentes. Nesse relatório já constavam irregularidades de aspectos específicos da Enfermagem, dentre eles condições de trabalho e características institucionais que comprometeriam a assistência a população. Em maio deste ano (2017), após uma denúncia anônima, foi constado que a unidade encontrava-se com superlotação e sobrecarga de trabalho da Enfermagem e, nos últimos dias, em uma reunião junto com profissionais da Unidade os mesmos relataram viver situação agravada de desgaste e cansaço mental, moral e físico, diante das condições de trabalho.

Em ofício, foram apontadas situações de risco como a sobrecarga de trabalho, falta de material básico para o cuidado ao paciente e falta de medicamentos essenciais. Segundo a presidente do Coren-AL, Zandra Candiotti, tais situações não estão elencadas na Lei 5.907/73, como sendo competência dos Conselhos de Enfermagem averiguar, no entanto, elas influenciam diretamente no exercício da profissão, inviabilizando a garantia da prestação de assistência livre de danos decorrentes de imprudência, negligência e imperícia, colocando em risco os pacientes e os profissionais.

“As condições de trabalho são fatores essenciais à qualidade da assistência prestada pelos profissionais de enfermagem, sendo dever do Conselho prezar por esses profissionais e denunciar essas irregularidades” explica Zandra.

O Ofício foi enviado na quinta-feira (dia 6 de julho), a presidente ressalta que o Conselho vai continuar acompanhando a situação dos profissionais do Hospital e cobrando aos órgãos que as providências cabíveis sejam adotadas.

FONTE: COREN

Comentários