segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Herval Sampaio : Os senadores serão de fatos juízes no processo de impeachment ?


Juíz de Direito Herval Sampaio
Herval Sampaio

Assistindo ao início do efetivo julgamento do processo de impeachment e já deliberada, pelo menos por enquanto, todas as questões de ordem em número de 10 [1], por mais de três horas, após esclarecimento técnico e sereno do Presidente do STF, que fez questão de deixar muito claro a atribuição extraordinária que os Senadores terão nesse processo, a indagação desse texto é mais do que pertinente?

Na realidade, já estamos questionando esse peculiar fato há algum tempo http://www.novoeleitoral.com/index.php/en/opiniao/herval/1281-impeachment-recall-investigacao, justamente porque nos parece impossível que os nossos políticos possam se despir de uma hora para outra dos interesses politiqueiros e muitas vezes não republicanos que prevalecem em nossa politicagem.

Entretanto, dentro dessa realidade, terão os senadores a difícil missão de julgar a Presidente Dilma e o que nos espanta, isso sem adentrar ao mérito em si da acusação, em que pese já ter retratado aqui a seriedade das alegações, http://www.novoeleitoral.com/index.php/en/opiniao/herval/849-impeachmentverdade , é a maneira como os mesmos se portam frente ao processo que os têm como juízes.

Tanto os que claramente já declararam serem favoráveis ao impeachment no mérito, como os em sentido contrário, vemos uma conduta inadmissível para quem, pela Constituição, deveriam ser julgadores e isso nos dá a certeza de que o julgamento será muito mais político do que jurídico e mesmo sendo constitucional tal agir, demonstra na prática a necessidade de revermos o chamado “presidencialismo de coalizão”.

Esse modelo está totalmente falido, pois na prática aprofunda o nosso fisiologismo e potencializa a barganha de apoio político, fazendo com que os bastidores dominem a nossa política e os interesses dos transgressores da Constituição e das leis sempre prevaleçam sobre a minoria e o último interesse é o do povo.

Por mais que eu tenha a certeza de que os fatos imputados a Presidente são sérios e que o processo em si não pode ser taxado como golpe, fica mais do que claro, que se a mesma tivesse as condições políticas sob o seu controle à época das denúncias e a crise econômica não tivesse se agravado, não estaríamos no momento atual que nos encontramos.

Nesse texto http://noblat.oglobo.globo.com/artigos/noticia/2016/08/em-cartaz-parlamentarizacao-do-presidencialismo.html , a jornalista Helena Chagas nos comprova que o sistema chegou ao seu limite e que se não for alterado, os próximos presidentes ficarão reféns do Congresso Nacional e a nossa preocupação sempre será, quais os interesses que moverão a condução de um outro possível processo de impeachment?

A nossa triste politicagem e os interesses não republicanos que a dominam trarão muito mais feridas em nosso sistema já tão combalido.

Afora o presidente do STF que conduz com maestria a sessão de julgamento, tentando inclusive, a todo momento, sensibilizar os senadores quanto à função de julgadores que devem se imiscuir nesse momento, o que estamos vendo é um prejulgamento já feito por ambos os lados, sem que se tenha na prática um processo em efetivo contraditório e que possa realmente influenciar os julgadores. http://noblat.oglobo.globo.com/geral/noticia/2016/08/muito-alem-do-impeachment.html

Quanto mais assisto tenho a certeza do resultado, pois os senadores não conseguem se despir dos interesses politiqueiros e quem perde mais uma vez com isso é a sociedade, a qual sairia do processo fortalecida acaso o julgamento fosse mais técnico do que político.

O misto entre tais critérios, previsto em nosso ordenamento jurídico, a qual deveria prevalecer, mesmo com a sobreposição do aspecto político, não deveria ser somente politiqueiro como estamos vendo e como ainda não tivemos acesso aos documentos oficiais, fica a impressão de que realmente os senadores não estão preocupados com o rigor técnico.

E o que nos resta dentro desse contexto?

Esperança de que dentro dessa patente crise política e econômica, o povo verdadeiramente acorde desse sono profundo e se irresigne, de uma vez por todas, contra esse sistema fisiologista de barganhas de cargos públicos, a qual prevalece na prática em todo tipo de processo em que envolve políticos em nosso país, mesmo se ressalvando que ainda temos políticos que não se coadunam com tal sistema, contudo estão em patente minoria.

Portanto, podemos começar esse processo de renovação com as eleições que se avizinham e logo após fazer de fato uma efetiva reforma de todo o nosso sistema político, combatendo de frente a estrutura de poder pelo poder, já que a última tentativa do legislador sequer merece nossos comentários nesse tocante, pois passou totalmente alheia a esses aspectos.

E quanto ao processo de impeachment em curso, nos parece que a questão está resolvida, justamente porque os senadores, em sua grande maioria, passam longe da figura de um juiz imparcial e alheio as circunstâncias pessoais que envolvem a causa, logo comprovamos claramente que não temos a menor condição de continuar com esse modelo de processo de impeachment ou alguém acha que o julgamento está sendo verdadeiramente técnico?

E nossa conclusão não pode em momento algum ser compreendida como uma posição de inocência da Sra. Presidente, contudo nos retira a certeza de que realmente tenha havido de fato o crime de responsabilidade sob o aspecto técnico, pelo menos nesse momento com relação ao que vimos e estamos ainda vendo, contudo temos a esperança de quem sabe os demais elementos que tenha nos autos sejam diferente do teatro politiqueiro que assistimos hoje e que não deve mudar nos próximos dias.

Juízes não imprimem nunca em sua atuação funcional valores pessoais e sim os da Constituição e os das leis constitucionais, pois presentam o Estado na missão sublime de dizer com quem está o Direito, compreendido na acepção mais ampla do termo, porém sempre limitada ao que está posto no ordenamento jurídico.


[1] Ressalve-se que no decorrer do julgamento, com certeza, teremos muito mais questões de ordem com relação a fatos que surgirão quando do início da instrução e seu desenvolvimento, além dos “pela ordem”, que sinceramente são usados sem muito critério técnico e fora do que restou acordado entre os líderes e o presidente do STF, ficando claro que esse roteiro e ajustes não deverão ser cumpridos à risca, justamente pelo peculiar fato de que os senadores, em sua grande maioria, não conseguirão ser juízes.
Leia Mais ►

sábado, 19 de março de 2016

Na Venezuela cresce o mau cheiro do "gatuno" e a morte

Venezuela, onde as grandes fortunas surgem sem qualquer possibilidade de justificação legal 

Na Venezuela, cresce o fedor,o "gatuno" e a morte
Na Venezuela cresce o mau cheiro do "gatuno" e a morte -ELEONORA BRUZUAL



Em quase toda a América hispânica a palavra "choro" significa ladrão, e na Venezuela é de uso comum e define um delinquente que gosta das coisas alheias,portanto,quando eu saliento que no meu país o mau cheiro do ladrão é insuportável,não digo por dizer, refiro-me à realidade como roubo e assassinato que tornaram-se uma dupla para consolidar uma situação sangrenta que leva a Venezuela a ser um dos países mais violentos do mundo, com o registro vergonhoso ,de receber a "honra" de ter entre as 50 cidades mais perigosos do mundo, Caracas como a primeira da lista, Maturin a quinta, Valência como a sétima,e Guayana como a décima primeira, Barquisimeto, a vigésima, Cumana vigésima quarta., Barcelona na 34ª. e Maracaibo na 49ª.



E tudo isso é potencializado por ser a Venezuela um verdadeiro narco estado em que até mesmo a família presidencial é tocada pela prisão de seus membros que estão sendo julgados em tribunais nos Estados Unidos; O caso Efrain Antonio Campos Flores e seu primo Franqui Francisco Flores de Freitas, ambos sobrinhos de Cilia Flores de Maduro, Primeira-Dama da Venezuela ou como ela gosta de ser chamada:: Primeira Combatente.{Soldado}


Na Venezuela, o presidente da Câmara de Cassação Penal do Supremo Tribunal de Justiça, o magistrado Maikel Moreno Pérez, responsável máximo pelos casos criminais é um verdadeiro carrasco de todos os adversários que caiam em suas mãos. Só para dar uma ideia da brutalidade deste homem , cito o processo do comissário Ivan Simonovis ainda privado do seu direito à plena liberdade; Também do sadismo demonstrado como juiz no caso da ex-senadora Haydeé Castillo de Lopez Acosta e seu marido Antonio Lopez Acosta, ambos processados criminalmente depois do assassinato de seu filho Antonio Lopez Castillo em um estranho confronto policial que aconteceu durante a investigação do obscuro crime do procurador Danilo Anderson.



Maikel Moreno Perez, é tema de reportagens internacionais em fontes de eventos criminais. 
Maikel Moreno Pérez, é um defensor compulsivo do Vereador Richard Peñalver, um dos quatro acusados de terem disparado em 11 de Abril, de 2002 contra uma manifestação da oposição, Todos que participaram são conhecidos como os assassinos de Puente Llaguno e foram inocentados pela nauseante "justiça vermelha" da qual esse personagem é emblema.



Venezuela, onde as grandes fortunas surgem sem qualquer possibilidade de justificação legal das mesmas e onde esses mesmos "choros" são parte do Governo ou do entorno do poder. Mil casos poderiam ser citados aqui,casos que a notícia criminis me preservaria de quaisquer problemas jurídicos que possam me afetar- rebusco em minha memória,bem lá no fundo do baú,e coloco ante a opinião pública alguns desses episódios.Casos que mostram pobres solenes antes desses 17 anos de Vermelho da Morte, agora convertidos em magnatas financeiros. -por Exemplo- casos onde a família do falecido Hugo Chavez aparece entre os mais ricos não só do país, mas do mundo, onde Rafael Ramirez quebrou a indústria nacional de petróleo, um das mais fortes do mundo -Ele e sua família- com fortunas incomensuráveis as quais necessitam de uma profunda investigação e punição.


Hector Rodriguez esse " parlapatão escandaloso" de Rio Chico, agora vestido como um dandy e ostentando riqueza acumulada tenazmente em ministérios do mal chamado Poder Popular: Presidência, Desporto, Juventude e Educação e descaradamente há um tempo atrás, falou quando se referia aos necessitados: "nós não vamos tirar as pessoas da pobreza para levá-las para a classe média para se tornarem esquálidas [ Termo que Chavez usava se referindo aos opositores da classe média e alta ] ". Onde Rafael Esquivel, que servia como presidente da Federação de Futebol da Venezuela e primeiro vice-presidente da CONMEBOL, enfrenta acusações de corrupção no caso da FIFA e que somente alcançou a liberdade provisória nos EUA, sob fiança de sete milhões de dólares, e ninguém pergunta de onde sacou esse dinheiro!


Venezuela, onde para roubar o seu veículo, Larry Salinas foi executado, Larry Salinas era um jovem valioso e músico criador do Coral integrado , um local para crianças com deficiência, e a sua morte ,infelizmente,será apenas uma estatística .


Venezuela com o seu povo moralmente permissível. Venezuela hedionda ao roubo, à morte, à impunidade. Venezuela onde a falta de esperança exala um cheiro desagradável , igual a todo fedor, , que com o tempo, chegamos a se acostumar.



Editado e traduzido pelo Blog Alagoas Real.
Se copiar é obrigatório citar a fonte original,e o Blog Alagoas Real,com seus links anexos!


ELEONORA BRUZUAL PERIODISTA VENEZOLANA 
Leia Mais ►

segunda-feira, 14 de março de 2016

Prevenção da Cólera : Division of Bacterial and Mycotic Diseases



Distribuição da Cólera no mundo
Distribuição da Cólera no mundo

Em Janeiro de 1991 apareceu cólera epidêmica na América do Sul, alastrando-se rapidamente para vários países. Aconteceram alguns casos nos Estados Unidos entre as pessoas que viajaram para a América do Sul ou que comeram alimentos trazidos pelos viajantes.


A cólera tem sido muito rara nos países industrializados nos últimos 100 anos; não obstante, a doença ainda hoje é comum em outras partes do mundo,incluindo o subcontinente Indiano e a África subsaariana.


Apesar de que a cólera pode pôr em risco à vida, se evita e trata facilmente. Nos Estados Unidos, devido ao avançado sistema sanitário e de tratamento d'água, a cólera não representa um perigo maior; porém todos, e especialmente os viajantes, devem ser cientes do modo de transmissão da doença e o que deve ser feito para evitá-la.


Que é a cólera?


A cólera é uma doença aguda, diarreica, causada por uma infecção nos intestinos pela bactéria Vibrio cholerae. A infecção geralmente é moderada ou sem sintomas, mas as vezes pode ser grave. Aproximadamente uma em cada 20 pessoas infectadas sofre de doença grave, caracterizada por diarreia aquosa abundante, vômitos e cãibras nas pernas. Nessas pessoas, a perda rápida dos líquidos do corpo leva à desidratação e à prostração. Se não houver tratamento, a morte pode acontecer em questão de algumas horas.


Como se adquire a cólera?


Uma pessoa pode adquirir cólera bebendo água ou comendo alimentos contaminados com a bactéria da cólera. Numa epidemia, a fonte de contaminação é geralmente as fezes de uma pessoa infectada. A doença pode se espalhar rapidamente aos lugares com tratamento inadequados das águas sanitária e potável.


A bactéria da cólera pode também viver no meio ambiente nos rios de alta salinidade ou nas águas litorais. Os mariscos quando são comidos em estado cru, tem sido uma fonte de cólera; algumas pessoas nos Estados Unidos contraíram cólera após comer mariscos do Golfo de México em estado cru ou pouco cozidos.

Não é comum que a doença passe diretamente de uma pessoa para outra; portanto, o contato casual com uma pessoa infectada não constitui um risco de contrair a doença.


Qual é o risco de contrair cólera nos Estados Unidos?


Nos Estados Unidos, a cólera foi comum nos anos 1800, mas foi praticamente eliminada com os modernos sistemas de esgotos e de tratamento d'água. Porém, como resultado das melhoras nos meios de transporte, viajam mais pessoas dos Estados Unidos para lugares da América Latina, África ou Ásia, aonde estão acontecendo as epidemias de cólera. Os viajantes dos Estados Unidos para lugares com cólera epidêmica, podem ficar expostos à bactéria da cólera. 

Além disso, os viajantes podem trazer frutos-do-mar contaminados, na volta para os Estados Unidos; surtos epidêmicos originados por alimentos, foram causados por frutos-do-mar contaminados trazidos para este país pelos viajantes.


Que devem fazer os viajantes para evitar adquirir a cólera?


O risco de cólera é muito baixo para os viajantes dos Estados Unidos que visitam lugares com cólera epidêmica. Quando se observam algumas precauções simples, tôrna-se muito improvável contrair a doença.


Existe uma vacina para evitar a cólera?


Existe uma vacina para a cólera; porém, a mesma outorga uma imunidade incompleta e de curta duração e não é recomendável para viajantes. A vacina contra a cólera não é uma exigência para entrar ou sair de qualquer país da América Latina ou dos Estados Unidos.


Todos os viajantes para lugares aonde ocorre a cólera deverão observar as seguintes recomendações:


Beba somente água que foi fervida ou tratada com cloro ou iodo. Outras bebidas que não oferecem perigo são o chá e o café preparados com água fervida e as bebidas carbonatadas e engarrafadas, sem gelo.

Coma somente alimentos perfeitamente cozidos e ainda quentes, ou frutas descascadas por você mesmo.

Evite o peixe e os mariscos crus ou pouco cozidos, incluindo o ceviche.Asegure-se que todas as verduras estejam cozidas - evite as saladas.

Evite as comidas e bebidas de vendedores ambulantes.


Não traga frutos-do-mar perecíveis, na volta para os Estados Unidos.


Uma simples norma prática é:Ferva, cozinhe, descasque ou esqueça 


A cólera pode ser tratada?


A cólera pode ser tratada com sucesso e de maneira simples restituindo imediatamente os líquidos e sais minerais perdidos através da diarreia. Os pacientes podem ser tratados com soluções para reidratação por via oral, uma mistura de açúcar e sais pre-acondicionada que se combina com água e se bebe em grandes quantidades. Esta solução se usa no mundo inteiro para o tratamento da diarreia. Os casos graves, requerem reposição dos líquidos também por via intravenosa. Com uma rehidratação rápida, morrem menos de 1% dos pacientes com cólera.


Os antibióticos encurtam o curso da doença e diminuem sua gravidade, mas não são tão importantes como a rehidratação. As pessoas que desenvolvem sintomas de diarreias e vômitos graves nos países aonde existe cólera, devem procurar atenção médica rapidamente.




Quanto vai durar a epidemia atual?



Fazer uma predição para determinar quanto vai durar a epidemia na América Latina é muito difícil. A cólera epidêmica na África durou mais de 20 anos. 

Nos lugares com tratamento de esgoto inadequado, a cólera epidêmica não pode ser detida imediatamente, não havendo também sinais de que a epidemia nas Américas termine logo. Os países da América Latina que ainda não tem comunicado casos de cólera, continuam ainda em risco para os próximos meses e anos. Muitos destes países precisam realizar melhorias significativas nos seus sistemas de esgôto e tratamento d'água para evitar futuras epidemias de cólera.


Qué está fazendo o governo dos Estados Unidos para combater a cólera?


As autoridades de saúde pública internacional e dos Estados Unidos estão trabalhando para aumentar a vigilância contra a cólera, investigar os surtos de cólera, e designar e executar as medidas preventivas. Os Centros para o Controle de Doenças está investigando as epidemias de cólera aonde as mesmas ocorrem e estão treinando técnicos de laboratório nos métodos apropriados para identificação do V. cholerae. Além disso, os Centros para o Controle de Doenças estão proporcionando informação sobre diagnóstico, tratamento e prevenção da cólera aos oficiais de saúde pública e estão educando o público sobre as medidas preventivas eficazes.



A Agência Americana de Desenvolvimento Internacional está patrocinando algumas das atividades governamentais e proporcionando suprimentos medicinais aos países afetados.


A Agência de Proteção Ambiental está trabalhando com operadores de tratamento d'água e esgôtos dos Estados Unidos para evitar a contaminação d'água com a bactéria da cólera.



A Direção de Alimentos e Drogas está testando os mariscos importados e domésticos para descobrir o V. Cholerae e controlando o grau de segurança dos leitos de mariscos dos Estados Unidos, através do programa de saneamento de mariscos.


Com cooperação à nivel estadual e local, nacional e internacional, se proporcionará assistência aos países aonde a cólera está presente, permanecendo pequeno o risco para os habitantes dos Estados Unidos.



Aonde pode um viajante obter informação sobre a cólera?


O quandro global da cólera muda periodicamente, por isso os viajantes devem procurar obter informação atualizada sobre os países de interesse. Os Centros para o Controle de Doenças mantêm uma linha telefônica de informação para viajantes aonde os que chamam podem obter informações recentes sobre a cólera e outras doenças de interesse dos que viajam. Detalhes deste serviço se obtém da Organização Mundial de Saúde. O número é 404-332-4559.



Office of the Director, Mailstop C09

Division of Bacterial and Mycotic Diseases

National Center for Infectious Diseases
Centers for Disease Control

1600 Clifton Road

Atlanta, Georgia 30333

U.S.A.
Leia Mais ►

domingo, 13 de março de 2016

A cólera nas Américas - Resumo da situação

Em 2015, um total de 36.654 casos de cólera foram notificados por três países nas Américas: 
A cólera nas Américas - Resumo da situação
Fonte: OPAS/PAHO 2016


Cuba (65), Haiti (36,045) e República Dominicana (544). 


Haiti reúne 98% de todos os casos na região. 


Em Cuba, até a semana epidemiológica (SW) 7/2016 não foram relatados novos casos.


Na República Dominicana, até a semana SE 7/2016, 68 casos suspeitos de cólera foram notificados e nenhuma morte foi relatada como resultado. 


No Haiti, até a SE 7/2016, 7.040 casos suspeitos de cólera foram notificados, incluindo 88 mortes. 


Além disso, o número de reportados durante os quatro primeiros casos de 2016, excedeu o número de casos notificados no mesmo período de 2014 e 2015 , em seguida, descendo para um menor número de casos observados em 2015.

Editado e traduzido pelo Blog Alagoas Real.
Se copiar é obrigatório citar a fonte original,e o Blog Alagoas Real,com seus links anexos!

Fonte: OPAS/PAHO 09/03/2016
http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&task=doc_view&Itemid=270&gid=33572&lang=es
Leia Mais ►

sábado, 12 de março de 2016

Zika vírus : OMS/WHO - Atualização do Regulamento Sanitário Internacional


Segunda reunião do Comité de Emergência convocada pelo Diretor Geral, em virtude do Regulamento Sanitário Internacional (2005) (RSI 2005), sobre ocorrências de inúmeros casos de microcefalia e outras desordens neurológicas em algumas áreas afetadas pelo vírus Zika foi realizada por teleconferência em 08 de março de 2016, 13:00-16:45, hora da Europa Central.

OMS declaração
08 de março de 2016

O Secretariado da OMS informou ao Comité sobre as medidas tomadas para implementar as recomendações temporárias emitidas pelo Diretor-Geral em 1 de Fevereiro de 2016 devido aos inúmeros casos de microcefalia e síndrome de Guillain-Barre que têm sido associados com o tempo de transmissão do vírus Zika. Foi prestada ao Comité dados mais antigos de estudos observacionais, comparativos e experimentais sobre a possível associação causal entre a infecção com o vírus Zika,-microcefalia e síndrome de Guillain-Barre.


Os seguintes Estados Partes forneceram informações sobre casos de microcefalia, síndrome de Guillain-Barre e outros distúrbios neurológicos na presença de transmissão do vírus Zika: Brasil, Cabo Verde, Colômbia, Estados Unidos e França.


A Comissão observou a nova informação fornecida pelos Estados Partes e instituições acadêmicas em termos de relatos de casos, séries de casos, um estudo de casos e controles (Guillain-Barré) e um estudo de coorte (microcefalia ) em anomalias congénitas e doenças neurológicas, na presença de infecção por vírus Zika. Ele reafirmou a necessidade de avançar o trabalho para gerar mais evidências sobre esta associação e para compreender qualquer incongruência nos dados do país. O Comité recomendou que os clusters de casos de microcefalia e outras desordens neurológicas continuam a constituir uma emergência de saúde pública de importância internacional (PHEIC), e reconheceu que cada vez mais sinais de que existe uma relação causal com o vírus Zika.
Zika vírus : OMS/WHO, Atualização do Regulamento Sanitário Internacional
Zika vírus : OMS/WHO, Atualização do Regulamento Sanitário Internacional


A Comissão fez as seguintes recomendações ao Diretor Geral para consideração ao abordar esta situação de emergência, em conformidade com o RSI (2005).




Microcefalia, distúrbios neurológicos e outros vírus Zika


Deve ser intensificada a investigação sobre a relação entre os novos casos de aglomerados de microcefalia e outros distúrbios neurológicos, incluindo a síndrome de Guillain-Barré, e Zika vírus.


Deve prestar atenção especial quando gerar dados adicionais sobre a sequência genética e o efeito clínico de diferentes estirpes de vírus Zika, estudar a neuropatologia da microcefalia, realizar estudos adicionais de casos e analisar se é igual aos de corte, ou aos infectados recentemente, e elaborar modelos em animais para realizar estudos experimentais .


A pesquisa sobre a história natural da infecção pelo vírus Zika deve ser acelerada, incluindo as taxas de infecções assintomáticas , as implicações da infecção assintomática, especialmente com respeito à gravidez e à persistência de excreção viral.


Deve ser realizado estudos retrospectivos e prospectivos das taxas de microcefalia e outras desordens neurológicas em outras áreas onde se sabe que houve transmissão do vírus Zika, mas que não foram observadas uma maior incidência da doença. 


Seguir na investigação explorando a possibilidade de outros fatores causais ou co-fatores que poderiam explicar os aglomerados observados de microcefalia e outros distúrbios neurológicos.



Para facilitar esta pesquisa e garantir que os resultados sejam obtidos tão rapidamente quanto possível, deve:


padronizar e melhorar o acompanhamento da microcefalia e síndrome de Guillain-Barre, particularmente em áreas de transmissão conhecidas do vírus Zika e áreas de risco;


começar a trabalhar na formulação da definição possível caso de "infecção congênita Zika vírus";


Informar rapidamente os dados clínicos, virológicos e epidemiológicos a Organização Mundial de Saúde relacionados a taxas mais elevadas de microcefalia ou síndrome de Guillain-Barre e transmissão da síndrome de vírus Zika para facilitar a compreensão internacional desses eventos,com finalidade de orientar o apoio internacional necessário aos esforços para controlar e priorizar novas pesquisas e desenvolvimento de produtos.



A vigilância a infecção pelo vírus Zika deve ser melhorada e sua notificação através da divulgação de definições de casos e meios de diagnóstico padrão em áreas de transmissão e zonas de risco; em áreas recentemente infectadas se deve tomar medidas de controle de vetores descritos abaixo.




Controle de vetores


A vigilância dos vetores deve ser melhorada, incluindo a identificação das espécies de mosquitos vetores e sua sensibilidade aos inseticidas, para fortalecer as avaliações de risco e medidas de controle de vetores.


As medidas de controle do vetor e proteção individual adequada devem ser vigorosamente promovida e implementadas para reduzir o risco de exposição ao vírus Zika.


Os países devem reforçar as medidas de controle de vetores de longo prazo e a Diretoria Geral da OMS deve explorar a possibilidade de utilizar os mecanismos de RSI e trazer esta questão para uma próxima Assembléia Mundial da Saúde, como uma maneira de promover uma maior participação dos países neste tema.



Comunicação de risco


A comunicação de risco em países com transmissão do vírus Zika deve ser melhorada para responder às preocupações da população, melhorar a participação da comunidade, melhorar a notificação e assegurar a implementação de medidas de controle de vetores e proteção pessoal.


Estas medidas devem ser baseadas em uma avaliação adequada de percepção, conhecimento e informação que o público tenha; o impacto das medidas de comunicação de risco para orientar a sua adaptação e melhorar o seu impacto devem ser rigorosamente avaliadas.


Atenção para assegurar que as mulheres em idade fértil e mulheres grávidas em particular, tenham a informação e materiais necessários para reduzir o risco de exposição .


Informações sobre o risco de transmissão sexual e medidas para reduzir esse risco devem estar disponíveis para as pessoas que vivem em áreas onde a transmissão do vírus Zika foi notificada ou para as pessoas que estão retornando dessas áreas.




Cuidados clínicos


Se deve fornecer orientação para as mulheres grávidas que tenham sido expostas ao vírus Zika e o acompanhamento dos resultados da gravidez com base nas melhores informações disponíveis e as práticas e políticas nacionais.


Em zonas conhecida de transmissão do vírus Zika,os serviços de saúde devem estar preparados para o eventual aumento do número de casos de síndromes neurológicas ou defeitos de nascimento.


Medidas relativas viagens


Não se deve aplicar restrições gerais sobre viagens ou comércio com países, regiões ou territórios com a transmissão do vírus Zika 


Devem ser aconselhadas a mulheres grávidas a não viajar para áreas onde há surtos em curso da infecção pelo vírus da Zika, e as mulheres grávidas cujos parceiros que vivem ou viajam para áreas com focos sexual devem assegurar adotar práticas sexuais seguras ou abster-se de sexo no restante da gravidez.


Deve fornecer informações atualizadas para as pessoas que viajam para áreas com focos do vírus Zika sobre os possíveis riscos e medidas adequadas para reduzir a possibilidade de exposição a picadas de mosquito orientação medidas. Ao retornar, essas pessoas devem tomar as medidas adequadas, incluindo a atividade sexual segura, para reduzir o risco de uma nova transmissão.

A Organização Mundial da Saúde deve atualizar regularmente as recomendações sobre viagensa medida que evoluem as informações sobre a natureza e duração dos riscos associados com a infecção pelo vírus Zika.

Se deve por em prática as recomendações habituais da OMS sobre controle de vetores em aeroportos sob RSI (2005). Os países deveriam considerar a desinfestação de aeronaves.


Investigação e desenvolvimento de produtos


Deve priorizar o desenvolvimento de novos diagnósticos de infecção pelo vírus Zika para facilitar as medidas de monitorização e controlo e, especialmente tratamento durante a gravidez. 


Deve ser investigado e desenvolvido novas medidas de controle do vetor com especial urgência.


É necessário o aumento de esforços na pesquisa e desenvolvimento de vacinas contra o vírus Zika e tratamentos terapêuticos no médio prazo.


Com base nessas recomendações, o diretor-geral disse que o estado de emergência de saúde pública de preocupação internacional permanecee. 


O Director-Geral aprovou as recomendações da Comissão e publicou as recomendações temporárias em virtude do RSI (2005). 


O Diretor-Geral agradeceu a orientação fornecida pelos membros e consultores da Comissão .



Editado e traduzido pelo Blog Alagoas Real.
Se copiar é obrigatório citar a fonte original,e o Blog Alagoas Real,com seus links anexos!

WHO statement on the 2nd meeting of IHR Emergency Committee on Zika virus and observed increase in neurological disorders and neonatal malformations
Leia Mais ►

Morte por raiva tem primeiro caso da doença neste ano

Corumbá, a 419 quilômetros de Campo Grande, registrou o primeiro caso de raiva animal, este ano. O cachorro tinha proprietária, mas circulava livremente pela rua. A dona do cão disse que deu vacina antirrábica, mas não se lembra se a imunização foi feita na campanha de 2015 ou somente em 2014. Em maio do ano passado, um morador da cidade, de 38 anos, morreu após ser diagnosticado com raiva humana.


Protocolo de Recife:  guia de tratamento para raiva humana
Protocolo de Recife:  guia de tratamento para raiva humana

                                   Apesar do caso, o CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) informou que está oferecendo a vacina, mas recomendou que os moradores esperem a campanha de vacinação, que neste ano está prevista para abril e maio, quando a equipe fará imunização de casa em casa.

A coordenadora do CCZ em Corumbá, Walkíria Arruda, disse ao jornal Diário Corumbaense, que os donos podem levar os animais ao CCZ para a vacina, mas como a equipe que trabalha no local é pequena, órgão recomenda que os proprietários esperem pela campanha. “Se a pessoa quiser levar na clínica particular também pode, o necessário é dar vacinação”, disse.
Leia Mais ►

Aedes aegypti (o mesmo da dengue,zika e chikungunya ) , pode transmitir a Febre Amarela



Sintomas

A febre amarela é uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por vetores. Geralmente, quem contrai este vírus não chega a apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos. As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da doença é rara e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A maioria dos infectados se recupera bem e adquire imunização permanente contra a febre amarela.

em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o mosquito Haemagogus. Já no meio urbano, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue)
Em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o mosquito Haemagogus. Já no meio urbano, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue)


Transmissão

A febre amarela ocorre nas Américas do Sul e Central, além de em alguns países da África e é transmitida por mosquitos em áreas urbanas ou silvestres. Sua manifestação é idêntica em ambos os casos de transmissão, pois o vírus e a evolução clínica são os mesmos — a diferença está apenas nos transmissores. No ciclo silvestre, em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o mosquito Haemagogus. Já no meio urbano, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue). A infecção acontece quando uma pessoa que nunca tenha contraído a febre amarela ou tomado a vacina contra ela circula em áreas florestais e é picada por um mosquito infectado. Ao contrair a doença, a pessoa pode se tornar fonte de infecção para o Aedes aegypti no meio urbano. Além do homem, a infecção pelo vírus também pode acometer outros vertebrados. Os macacos podem desenvolver a febre amarela silvestre de forma inaparente, mas ter a quantidade de vírus suficiente para infectar mosquitos. Uma pessoa não transmite a doença diretamente para outra.



Prevenção

Como a transmissão urbana da febre amarela só é possível através da picada de mosquitos Aedes aegypti, a prevenção da doença deve ser feita evitando sua disseminação. Os mosquitos criam-se na água e proliferam-se dentro dos domicílios e suas adjacências. Qualquer recipiente como caixas d'água, latas e pneus contendo água limpa são ambientes ideais para que a fêmea do mosquito ponha seus ovos, de onde nascerão larvas que, após desenvolverem-se na água, se tornarão novos mosquitos. Portanto, deve-se evitar o acúmulo de água parada em recipientes destampados. Para eliminar o mosquito adulto, em caso de epidemia de dengue ou febre amarela, deve-se fazer a aplicação de inseticida através do "fumacê”. Além disso, devem ser tomadas medidas de proteção individual, como a vacinação contra a febre amarela, especialmente para aqueles que moram ou vão viajar para áreas com indícios da doença. Outras medidas preventivas são o uso de repelente de insetos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo.
Leia Mais ►

OMS : Contenção do Zika exige combinação de medidas

vírus zika
ZIKA VÍRUS


GENEBRA (Reuters) - A fumigação em larga escala para eliminar mosquitos não conseguiu diminuir significativamente a disseminação da dengue e o mesmo pode acontecer com o Zika vírus, que vem sendo ligado a doenças neurológicas, disse a Organização Mundial de Saúde (OMS) nesta quarta-feira.

A ênfase deveria ser colocada na conscientização de famílias e comunidades para que se protejam e eliminem de seus lares os mosquitos portadores da moléstia, que se espalhou rapidamente pelo Brasil e pela América Latina, afirmou a entidade.

Liberar mosquitos modificados geneticamente ou irradiar os insetos também são possibilidades a ser estudadas, mas a avaliação de tais métodos deve ser feita com "extremo rigor", alertou a OMS.

Um encontro de três dias entre especialistas determinou duas outras prioridades para pesquisas: acelerar o desenvolvimento de ferramentas para diagnosticar infecções de Zika e de vacinas para evitar a doença – mas eles disseram que os testes de vacina podem acontecer tarde demais para deter o atual surto.

A diretora-geral-assistente da OMS, Marie-Paule Kieny, afirmou que os especialistas presentes disseram não haver indícios de que os métodos tradicionais de controle de mosquito tiveram qualquer impacto significativo na transmissão da dengue, um vírus aparentado ao Zika.

"Isto é importante, porque precisamos ter certeza de investir em intervenções que funcionem", disse Marie-Paule em entrevista de imprensa. "Certamente vale a pena continuar tentando usar este método por falta de outras intervenções."

Ela disse que o Aedes aegypti, espécie de mosquito que transmite o Zika, é a "barata dos mosquitos", porque fica principalmente em ambientes fechados e é difícil de erradicar. Os esforços para controlá-lo precisam ser mais direcionados a comunidades e casas particulares.

"Aí veremos se funciona ou não", disse ela.

Na terça-feira, a OMS aconselhou gestantes a não viajarem a áreas com epidemias de Zika vírus devido ao risco em potencial de microcefalia, uma má-formação craniana em bebês.


Leia Mais ►