Alagoas Real

Blog de notícias sobre saúde,medicina,enfermagem e cidadania

16 de abril de 2014

Sindmed-AC denunciará prefeituras por demitirem médicos com a chegada do Mais Médicos



O Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) encaminhará denúncias aos Ministérios da Saúde, Público, do Trabalho, Federal e Estadual contra as prefeituras de Rio Branco e Tarauacá que estão demitindo médicos acreanos e substituindo por profissionais contratados por meio do Programa Mais Médicos.

O presidente do Sindmed, José Ribamar Costa, disse que recebeu documentos e relatos que mostram a ilegalidade. Assim, ao invés dos gestores garantirem o reforço na quantidade de médicos, como prevê o programa, estão acabando com os investimentos na saúde básica.

“A atitude de demitir profissionais é uma ação discriminatória e acaba por confirmar a existência apenas de uma proposta eleitoreira, deixando de atender a população com uma quantidade maior de trabalhadores. Cerca de 20 pessoas já foram colocadas na rua nos últimos três meses”, explicou o sindicalista.

Ribamar Costa contou que alguns trabalhadores estão sendo coagidos a assinar a rescisão trabalhista. Outros estão deixando de ter os contratos renovados.

“As prefeituras estão literalmente substituindo os médicos, o que é ilegal, segundo as regras do Mais Médicos”, explicou o presidente do sindicato.

A Medida Provisória 321, que foi transformada em lei, prevê o descredenciamento da prefeitura que demitir médicos para utilizar apenas trabalhadores contratados pelo Programa.

“A Medida Provisória 321, que transformou em lei os Mais Médicos, não pode resultar em demissões sob pena de descredenciamento do programa. É um flagrante descumprimento da lei e não podemos nos calar. É um desrespeito à população que ficará desassistida e aos médicos que já estão trabalhando”, protestou o sindicalista.

Ribamar Costa afirmou que serão realizadas fiscalizações nas unidades de saúde para verificar as condições de trabalho dos profissionais cubanos que estão sendo chamados para ocupar o lugar dos demitidos. A proposta é verificar denúncias de trabalho escravo, o que inclui o valor da remuneração paga a eles, a jornada de trabalho, a alimentação, acomodação e a possibilidade de assédio.

“Não poderemos permitir discriminação, por isso qualquer situação de irregularidade poderá ser enviada também para a ONU. Não permitimos violação dos direitos fundamentais. Se necessário for, estaremos protegendo também os cubanos, como no caso de Ramona”, explico o sindicalista.

O MPT de Brasília está investigando o Programa Mais Médicos por uma série de irregularidades descobertas, como a falta do pagamento de direitos trabalhistas.

Concurso

O presidente disse que o programa eleitoreiro está mascarando a falta de vontade dos gestores que se recusam em tratar a população com dignidade, deixando de realizar concurso público para dotar as unidades de saúde de trabalhadores capacitados.

“Queremos a fixação do médico nos municípios. Esse programa não contempla as garantias fundamentais de acesso à saúde, porque não mantém um profissional permanente. Ele é temporário e será mantido até o final das eleições”, finalizou Ribamar Costa


Fonte: Sindmed/AC
Leia mais...

14 de abril de 2014

Vigilância de epizootias em primatas aplicada a Febre Amarela



Vigilância de Epizootias 

A vigilância de epizootias em primatas aplicada a Febre Amarela é uma área do eixo eco-epidemiológico da vigilância da doença no Brasil. Ela visa captar informações, oportunamente, sobre adoecimento ou morte de primatas não humanos e investigar adequadamente para subsidiar a tomada de decisão em adotar ações de prevenção e controle e reduzir a morbimortalidade na população humana.

Sistema de Vigilância de epizootias em primatas não humanos

O sistema de vigilância de epizootias em primatas foi iniciado em 1999, após período de intensa transmissão na região centro-oeste brasileira onde foi observada a ocorrência de epizootia em primatas de forma precedente e concomitantes aos casos humanos de febre amarela silvestre. A partir de então, o Ministério da Saúde passou a incentivar iniciativas regionais para identificar a circulação do vírus em seu ciclo enzoótico.

O Programa de Vigilância, Prevenção e Controle da Febre Amarela atua de forma articulada com diferentes áreas como vigilância de casos humanos suspeitos, de síndromes febris ictero-hemorrágicas, imunização, vigilância de Eventos Adversos Graves Associados à Vacina (EAGVFA), vigilância vetorial urbano por meio do Programa Nacional de Controle da Dengue, entomologia aplicada aos vetores silvestres, aspectos ambientais (eco-epidemiologia), e ainda, ações de informação, educação e comunicação.

A vigilância de epizootias em primatas e entomologia aplicada a Febre Amarela são áreas do eixo eco-epidemiológico da doença no Brasil.

A vigilância de epizootias em primatas consiste basicamente em captar informações, oportunamente, sobre adoecimento ou morte de primatas não humanos e investigar adequadamente para subsidiar a tomada de decisão em adotar ações de prevenção e controle e reduzir a morbimortalidade na população humana.

A notificação da epizootia deve servir como evento de alerta do risco de Febre Amarela Silvestre que após investigação pode subsidiar planos de ações em áreas afetadas (com transmissão ativa), ou ampliadas (áreas próximas), para efeito da intensificação da vigilância e adoção, oportuna e adequada, das medidas de prevenção e controle.

Para efeito de vigilância, a definição de epizootia é:

“Primata não humano de qualquer espécie, encontrado doente ou morto (incluindo ossadas), em todo o território nacional”.

Considera-se primata não humano doente, um animal que apresenta comportamento anormal, movimenta-se lentamente, não demonstra instinto de fuga, esteja segregado do grupo, com perda de apetite, baixo peso (magro), desnutrição, desidratação, lesões cutâneas, secreções nasais, oculares e diarréia, dentre outros sinais ou sintomas.



Vigilância passiva de epizootias em primatas não humanos

A vigilância de epizootias é voltada para que a unidade local tenha capacidade de captar informações sobre morte ou adoecimento de primatas não humanos, como um evento sentinela do risco para a saúde pública, incluído na lista de eventos de relevância epidemiológica, conforme Portaria MS/SVS nº 05 de 21/02/2006 (atualizada pela Portaria 104, de janeiro de 2011), que trata das doenças e agravos de notificação compulsória no Brasil.

O foco da vigilância consiste em identificar em todas as diferentes regiões e localidades do país, grupos sociais, atividades e instituições que possam observar morte ou adoecimento de primatas não humanos (PNH) e informar às autoridades de saúde de nível local, comunicação oportuna na rede de saúde do SUS para ampla investigação sobre potencial de ocorrência de febre amarela silvestre na região.

A área de abrangência compreende todo o território nacional, inclusive aquelas consideradas sem risco para a febre amarela (Áreas Sem Recomendação de Vacina - ASRV), aspectos de vulnerabilidade e/ou receptividade. Todas as instituições ligadas ao meio ambiente, proteção ambiental, conservação animal, produtores rurais, agricultores, zoológicos, parques, instituições de ensino e pesquisa e a população, que em geral devem ser considerados como fonte importante de informação.

A notificação da morte de PNH, ou mesmo a observação de animais doentes, pode e deve chegar à unidade local da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) o mais brevemente possível. Entende-se como oportuno a notificação em até 24 horas, seguido da investigação em mesmo tempo (24 horas).

Vigilância Entomológica

A vigilância entomológica é um dos eixos de vigilância da Febre Amarela e constitui uma ferramenta alternativa de investigação, tendo como objetivos a atribuição de causa a eventos suspeitos (por vínculo epidemiológico), a detecção precoce da circulação viral e a predição/estratificação do risco de transmissão.

A vigilância entomológica é definida como a contínua observação e avaliação de informações originadas das características biológicas e ecológicas dos vetores, nos níveis das interações com hospedeiros humanos e animais reservatórios, sob a influência de fatores ambientais, que proporcionem o conhecimento para detecção de qualquer mudança no perfil de transmissão das doenças, e tem por finalidade recomendar medidas de prevenção e controle dos riscos biológicos mediante a coleta sistematizada de dados e sua consolidação no Sistema de Informações da Vigilância Ambiental [ou Eco-epidemiológica] em Saúde (Gomes, 2002).

A vigilância entomológica da febre amarela divide-se em dois tipos:
Vigilância passiva: compreende as ações de investigação entomológica, realizadas na ocasião da notificação de casos humanos ou epizootias em primatas não humanos suspeitos de febre amarela, com o objetivo de identificar os vetores potencialmente envolvidos na transmissão. A pesquisa viral a partir dessas amostras é uma estratégia para atribuição de causa aos eventos suspeitos (vínculo epidemiológico).
Vigilância ativa: inclui as ações de monitoramento entomológico, realizadas de forma sistemática e contínua, independentemente da notificação de casos humanos ou epizootias em primatas não humanos suspeitos de febre amarela. Constitui um instrumento para predição/estratificação do risco de emergência da febre amarela, e permite detectar precocemente a circulação viral, subsidiando o planejamento das ações de prevenção e controle antes da ocorrência de casos humanos.

Entre as contribuições que a vigilância entomológica traz ao Sistema de Vigilância da Febre Amarela, estão:
Definição do ciclo de transmissão (silvestre/ urbano);
Conhecimento de espécies potencialmente vetoras (p.e., infectividade natural por vírus FA em Aedes serratus [Cardoso et al., 2010] e Psorophora ferox [Moreno et al., 2011]);
Confirmação de casos humanos e epizootias em primatas não humanos por vínculo epidemiológico;
Definição de áreas afetadas (com evidência de circulação viral) e de Áreas Com Recomendação de Vacina (ACRV);
Avaliação do risco de emergência de febre amarela em função do contexto ambiental e epidemiológico.

No que tange à definição de estratégias de vigilância entomológica, o modelo atualmente vigente (ver documentos específicos) foi estruturado para complementar as vigilâncias epidemiológica e de epizootias, atuando como suporte na investigação de eventos suspeitos. Vale ressaltar que, embora pouco explorada, essa ferramenta revelou diversos achados inusitados nas últimas décadas, de modo que encorajar sua utilização na investigação de eventos suspeitos de febre amarela pode contribuir substancialmente para ampliar o conhecimento sobre a epidemiologia da doença, além de contribuir para a compreensão dos fatores relacionados à manutenção do vírus na natureza, à sua dispersão para outras áreas e à emergência da febre amarela em populações humanas.


Leia mais...

13 de abril de 2014

Protestos no Peru pela presença de "médicos" cubanos (VÍDEO)

Cerca de 50 profissionais  chegaram de Havana para " capacitar " o sistema de saúde , segundo o governo. Seus colegas  peruanos dizem que eles estão trabalhando sem licenças.

A presença de um grupo de médicos cubanos no Peru já gerou até pedido de  interpelação a dois ministros pela oposição política no Congresso.

Os meios de comunicação informaram que cerca de 50 médicos cubanos chegaram ao país , há algumas semanas , com a intenção de ficar , pelo menos até 2016. Diante disso, o decano do Colégio Médico do Peru (CMP) , Cesar Palomino, foi contra essa presença .

" Como temos sido capazes de corroborar ,os profissionais cubanos não são mais qualificados ou experientes do que os nossos colegas . Além disso, em um recente teste realizado no Chile eles foram reprovados ", disse Cesar Colomino. Além disso, qualquer profissional de saúde que trabalhe no Peru necessita " de autorização e permissão da CMP ", advertiu o presidente da CMP .

Entrevista com Cesar Palomino, decano do Colégio Médico do Peru





Traduzido e editado pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original


Protestas en Perú por la presencia de médicos cubanos (VIDEO)


Poderá gostar de:
Leia mais...

12 de abril de 2014

Ilha Macabra:Estudar medicina em Cuba e profanar sepulturas dos familiares de exilados

Visando um "melhor aprendizado" dos estudantes de Medicina em Cuba,os Castro autorizam a retirada de Crânios , dentes, tíbias , costelas , fêmures , maxilares , vértebras , pélvis etc ;dos túmulos sem proprietários,ou seja daqueles que em vida foram familiares dos mortos sem nomes(Cubanos que emigraram, ou foram exilados ).
Esse é mais um exemplo do governo Macabro que o PT idolatra!





Desde 1948 , a ONU decidiu adotar a Declaração Universal dos Direitos Humanos ,e  muitas organizações e ativistas de todo o mundo carregam essa dignificante bandeira.Enfrentando violações diárias de liberdade , justiça e paz sofrem  pelo simples fato de ser humano.

Um panteão de estilo Art Deco no Cemitério Colón, em Havana.

Infelizmente, em vários cantos desta selva que chamamos de Terra , os direitos humanos entraram em um período de sombra devido à apatia infinita de muitos de seus habitantes . Barbárie é como o nosso pão de cada dia , e isso faz com que seja mais ou menos normal.

No meu país, por exemplo , o assunto é sempre objeto de controvérsia e debate; mas hoje , eu não vou mencionar o direito dos vivos ,irei falar daqueles que já não estão entre nós , de nossos ancestrais , que não são o macaco , ou Australopithecus ; mas da minha mãe e avó .

Crânios , dentes, tíbias , costelas , fêmures , maxilares , vértebras , pélvis ; tudo está nos portões dos cemitérios. A profanação de sepulturas deixa de ser um ato horrível de vandalismo,para ser uma ocorrência quase diária.

Mas , "porque a culpa de tudo isso, sempre cai no Toti ";desinformados metafóricos e espertinhos inventam , ao invés de averiguar,na hora de julgar lançam o rugido acusador em muitos praticantes de religiões afro- cubanas que compõem o nosso folclore, e fazem parte do nosso patrimônio cultural.

Na Santeria e Bruxaria existem ritos porém muito isolados que exigem esqueleto humano ; também há artesãos que compram os ossos para construir com eles objetos que vendem por uma fortuna ; mas o absoluto responsável ​​por essa atrocidade aos nossos afetos é , como sempre , o Estado Cubano.

Até a sociedade tem perfurado o nosso pensamento, por que desde 1959 , o desenvolvimento da medicina tem sido a principal prioridade do governo revolucionário e, de fato , Cuba é o país que tem o maior número de médicos por habitante. 


Na ilha anualmente são graduados milhares de médicos e a cada um desses alunos, independentemente de raça, cor, sexo , língua ou religião ( nós, como os direitos humanos ) , é dado um saco com crânio e partes do esqueleto humano que não deve ser suficiente para estudar anatomia.Em seguida,os estudantes apresentam uma carta a administração dos cemitérios em Cuba , para que entre os túmulos sem proprietários , exumem os restos mortais daqueles que em vida foram familiares dos mortos sem nomes,que emigraram ou foram exilados .

. Para se ter uma pequena ideia dos túmulos profanados , devemos comparar o número de sacos entregues com a taxa bruta de mortalidade cubana , tomando a referência publicada pelas Nações Unidas e enviada por Havana, que foi de 7,6 em 2012 . Mesmo ano - em que de acordo com a extensa publicação do portal Cubadebate digital - a maior ilha das Antilhas (Cuba) formou mais de 11.000 novos médicos , 5.315 cubanos e 5.694 de 59 países . Eu não defendo os números quando eu escrevo , no entanto, a exceção merece.

Apenas um dia como o de hoje ,em 7 de Abril de 1985, morreu em Havana ,Cuba, uma das artistas mais reconhecidas da arte cubana , René Portocarrero . Seus restos mortais ... não quero nem pensar onde eles possam estar.

Traduzido e editado pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original

Estudiar medicina y profanar tumbas en Cuba
Leia mais...

Cuba:Papel higiênico é usado em ortopedia


Papel higiênico é usado como isolante(Gesso) em ortopedia
Publicado 11 de abril de 2014 | Por Saúde em Cuba

Como  produto alternativo, viola as normas sanitárias de higiene ,
por ser um material não resistente, não estéril e de baixa qualidade 
| Ernesto Díaz García

HAVANA , Cuba - . Um comunicador alternativo informou a este repórter que nos hospitais em Havana está sendo usado nas enfermarias de ortopedia , papel higiênico reciclado ,em substituição ao material têxtil e isolante térmico sanitário que deveria ser usado . Essa informação alarmante foi devidamente comprovada .

O papel que está sendo usado não é para fins médicos e não está nos protocolos de ortopedia . Como produto alternativo, viola os padrões de higiene sanitárias , por ser um equipamento não-estéril , de
má qualidade .

O que é utilizado para fins médicos é importado . Este material é recebido esterilizado adequadamente embalados em formatos de cerca de 300 gramas .

Traduzido e editado pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original

Utilizan papel higiénico como aislante en ortopedia
Leia mais...

Médicos ou atores ?:Cubanos atendem e chefes assinam prontuários e receitas

Médicos cubanos denunciados no Peru e Colômbia
Médicos estavam trabalhando em clínicas particulares e ainda estavam fazendo contratos para servir em diferentes especialidades
A denúncia se baseia no fato de que esses médicos tratam seus pacientes, mas não assinam os registros(A história clínica)
Cuba tem atualmente cerca de 50.000 funcionários espalhados em todo o mundo.
Em declarações recentes ao jornal Granma(Jornal Oficial do Partido Comunista Cubano), a diretora-geral do serviço, Yiliam Jimenez disse que atualmente 25 mil deles são médicos.






Vários meios de comunicação informaram que os médicos cubanos estão exercendo medicina tanto no Peru como na Colômbia de forma ilegal, sem as necessárias qualificações para trabalhar nestes países . Apesar de  tratados bilaterais que permitem a troca de médicos entre Cuba e outros países, esses casos estão se tornando mais comum em países sul-americanos. 

Na Colômbia, a rádio local Emisora Atlántico em Barranquilla denunciou que médicos estavam trabalhando em clínicas particulares e ainda estavam fazendo contratos para servir em diferentes especialidades. Em declarações à rádio, Ulahy Beltran, um especialista em saúde, adverte que nesta região, "há suficientes profissionais de saúde qualificados ".

A denúncia se baseia no fato de que esses médicos tratam seus pacientes, mas não assinam os registros(A história clínica) por suas consultas,em seus lugares assinam os chefes colombianos. Esta seria uma prática ilegal, e seria feito para evitar que as autoridades detectem que eles estão exercendo sem as formalidades necessárias para o reconhecimento de graus e treinamento. 

"Qualquer um que queira praticar a medicina na Colômbia deve ter legalizada a sua formação acadêmica" enfatizou o especialista. "É importante que os Barranquilleros tenham certeza de que o atendimento que é realizado com os usuários seja feito por profissionais que reúnam as condições mínimas para este serviço que é muito delicado, porque tem a ver com a saúde das pessoas."


Adicionamos que este médico pode estar realizando uma prática ilegal já que toma uma decisão médica, e deveria assinar e ser responsável pelo que prescreveu. O fato de outras pessoas estarem assinando tais documentos é algo contra a lei e um exemplo de fraude e roubo de identidade.



A Federação Peruana de Medicina pede reconhecimento oficial


Indo além o reitor nacional da Federação Médica do Peru, Cesar Palomino, que, em uma consulta pública sobre o setor da saúde denunciou que existem médicos estrangeiros- e citou expressamente os cubanos-que não têm a autorização necessária do Colégio Médico Oficial,, mas em troca trabalham dentro do Ministério.


Também denunciou o salário que recebem , 5.000 soles (cerca de US $ 1.760) e que o seu trabalho não se encaixa no propósito para o qual eles foram trazidos para o Peru. Em março, um total de 48 médicos cubanos chegaram ao país para reforçar a capacidade do sistema de saúde até 2016. Tudo graças a um acordo assinado entre os ministérios da Saúde dos dois países.

A ministra da Indústria, Midori de Habich disse  que a presença desses profissionais não estava focada em assistência direta ao paciente, mas para a assistência técnica e orientação de seus cursos. Ela também observou que isso faz parte das atividades de cooperação realizadas desde 1998-1999.

No entanto, a chegada desse contingente tem sido duramente criticada pela opinião pública peruana, principalmente porque vai custar um total de 3 milhões de soles (1,57 milhões dólares) para os cofres do Estado.


Os médicos cubanos no mundo 



Além do Brasil, onde se encontra a maioria dos médicos imigrantes, através do programa mais médicos, e na Venezuela, onde existe um acordo de prioridade, Cuba tem atualmente cerca de 50.000 funcionários espalhados em todo o mundo.


A gestão deste sistema de exportação de mão de obra qualificada é fornecida pela Comercializadora de Servicios Médicos Cubanos SA, vinculada ao Ministério de Saúde Pública (MINSAP), apesar de seu site oficial não fornecer informações dos programas ativos. Assim, parece que há contingente de médicos cubanos em países como Guatemala, Uruguai, Nicarágua, Honduras, Indonésia, Japão e Zimbábue, entre outros.

Em declarações recentes ao jornal Granma, a diretora-geral do serviço, Yiliam Jimenez disse que atualmente 25 mil deles são médicos. Geralmente, para prática legal da medicina, profissionais de saúde que trabalham em uma missão internacional fora de Cuba precisam de um visto especial e um pedido expresso do país de destino.
Traduzido e editado pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original
Médicos cubanos denunciados por trabajar ilegalmente en Perú y Colombia
Leia mais...

11 de abril de 2014

Sinmed: Assembleia Geral ,Aposentadoria Especial,Quinta Acadêmica e Contribuição Sindical



Assembleia Geral 

O Sinmed convoca todos os médicos da rede estadual para uma Assembleia Geral segunda, 14/04, a partir das 19 horas, no auditório da sede. Em pauta, debates e deliberação sobre o ingresso de ações judiciais contra o Estado relacionadas a direitos dos servidores. Uma das ações, por exemplo, é para requerer a progressão por tempo de serviço (letras A, B, C e D), que nunca foi incorporada.

Para o ingresso desse tipo de ação judicial, o Sinmed precisa de autorização dos associados reunidos em Assembleia Geral. Daí a importância do comparecimento de todos, conforme convocação oficial feita através de edital publicado na Gazeta de Alagoas, edição do último dia 09/04, quinta-feira.



Aposentadoria Especial

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) aprovou, por unanimidade, a Proposta da Súmula Vinculante 45 que prevê que, até a edição de Lei Complementar regulamentando norma constitucional sobre aposentadoria especial do servidor público, deverão ser seguidas normas vigentes para os trabalhadores sujeitos do Regime Geral de Previdência Social. O dispositivo refere-se à Aposentadoria Especial em decorrência de atividades exercidas em condições prejudiciais à saúde ou à integridade física dos servidores. Nisso se enquadram as atividades médicas. 

A Proposta de Súmula Vinculante foi do ministro Gilmar Mendes e tomou como base o ingresso, no período entre 2005 e 2013, de 5.219 Mandados de Injunção, sendo 4.892 deles referentes à Aposentadoria Especial de Servidores Públicos, prevista no Artigo 40, § 4º, III, da Constituição Federal. Com isso, o resultado dos mandados de injunção impetrados pelo Sinmed reunindo, o primeiro um grupo de pouco mais de 100 médicos e o segundo cerca de 150 médicos, passa a valer para toda a categoria, independente de os médicos terem se inscrito nos mandados de injunção.



Quinta Acadêmica

Foi retomada na última quinta-feira-feira (9), a programação da Quinta Acadêmica, uma parceria dos diretórios acadêmicos de Medicina da Ufal e Uncisal. O tema da primeira Quinta Acadêmica de 2014 foi a Síndrome de Burnout, que acomete profissionais da saúde e decorre do estresse no trabalho. 

A programação teve a participação dos professores universitários Andrea Marques Vanderlei Ferreira (Ufal) e Audenis Lima de Aguiar Peixoto (Ufal e Uncisal), que discorreram e debateram sobre o tema. A Síndrome de Burnout, que é um distúrbio psíquico de caráter depressivo e que é precedido de um quadro de esgotamento físico e mental intenso, tem sido constatada entre profissionais e estudantes desde os períodos iniciais do curso de Medicina.

Organizada pelos Centros Acadêmicos Sérgio da Hora, da Ufal, e 2 de Maio, da Uncisal, a Quinta Acadêmica ocorrerá uma vez por mês, preferencialmente na primeira quinta-feira de cada mês, no auditório do Sinmed, com exposição e debate sobre temas atuais de interesse dos estudantes e profissionais da área médica. 



Contribuição Sindical 

Os boletos da Contribuição Sindical que chegaram aos médicos com atraso, devido à greve dos Correios, poderão ser trocados, com data atualizada para vencimento em 30 de maio. Com isso, os médicos poderão fazer o pagamento em lotéricas ou terminais de caixa eletrônico.

Para tanto, é preciso que o médico entre em contato com o Sinmed, através do telefone 3221.0461, para solicitar o envio de um novo boleto por e-mail. O valore de R$ 185,00 poderá ser pago sem qualquer acréscimo.

Muitas pessoas ainda confundem a Contribuição Sindical com a Contribuição Associativa. Mas a primeira é o antigo Imposto Sindical. Trata-se de um tributo federal anual e obrigatório, que normalmente é recolhido até o dia 30 de março e equivale a um dia de trabalho. Essa contribuição é cobrada de todos os trabalhadores brasileiros.



Já a Contribuição Associativa equivale a 1% do salário e é descontada mensalmente em folha de pagamento, dos trabalhadores que são sindicalizados e autorizam o desconto.
Leia mais...