Observadores da Unasul fazem turismo eleitoral na Venezuela

"Sabemos que há observadores da Unasul,porém é turismo eleitoral, porque eles não estão preparados para avaliar o comportamento de um voto. São bem-vindos todos os observadores, mas acreditamos que eles estão deixando de fora as organizações internacionais com experiência nestes assuntos" disse o embaixador Armando Durán.
Reitora e presidente do Conselho Nacional Eleitoral, Tibisay Lucena,



Através de um comunicado, 141 diplomatas se queixaram de que o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela protege irregularidades relacionadas com as eleições em 14 de abril, incluindo condições arbitrárias e oportunismo, atuando de forma tendenciosa e não independente como exige o artigo 293 da Constituição.
O grupo de ex-ministros das Relações Exteriores e representantes de vários paises e comissões internacionais afirmam no documento que as condições arbitrárias são evidentes no abuso de cadeias nacionais pelo candidato do partido no poder, Nicolás Maduro, a participação cubana no registro e na mudança eleitoral ilegal de cidade para votar em Maduro, complica o processo eleitoral porque gera a intimidação de eleitores.

A carta, que foi lida pelo ex- Diretor de Economia e Cooperação Internacional do Ministério das Relações Exteriores, Gerson Revanales , que também anunciou atos de violência pelas autoridades contra os alunos que exigiam um processo eleitoral transparente .

"Queremos denunciar a perseguição e o assédio aos líderes políticos da oposição democrática. Eu mesmo fui vítima desse ato por ter assinado o Decreto Carmona- meus filhos foram injustamente demitidos", disse Revanales.

Outro ponto do comunicado, que é intitulado: Um apelo à Comunidade Internacional, foi conclamar aos países democráticos para acompanhar de maneira imparcial a eleição presidencial e aplicar instrumentos regionais para a defesa da democracia e da vontade popular.

"Sabemos que há observadores da Unasul,porém é turismo eleitoral, porque eles não estão preparados para avaliar o comportamento de um voto. São bem-vindos todos os observadores, mas acreditamos que eles estão deixando de fora as organizações internacionais com experiência nestes assuntos" disse o embaixador Armando Durán.

O grupo de diplomatas manifestou a vontade de promover a mudança política no país para restaurar a ordem democrática. Portanto anunciou seu apoio ao candidato da Mesa da Unidade, Henrique Capriles, "o mais inclusivo representando todos os setores do país e uma garantia de governo que respeita os princípios da democracia".

Comentários