ONU reitera a Venezuela o seu pedido de liberdade para a juíza Maria Afiuni


Caracas -. Durante a apresentação anual do Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária das Nações Unidas, o caso da juíza Maria Lourdes Afiuni, foi o único mencionado pelo nome e com detalhes.
Afiuni já tem três anos e quatro meses de detenção (Oswer Diaz)

Na audiência realizada em 05 de março, a organização reiterou a exigência de libertação imediata  que vem sendo feita  a vários órgãos de proteção dos direitos humanos da ONU, desde o momento de sua prisão, em dezembro de 2009.

Mads Andenas, membro do Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária descreveu a detenção de Afiuni como "um ato de retaliação" ao Conselho em que o governo da Venezuela começou a  fazer parte.

"Afiuni  está há 3 anos e 4 meses arbitrariamente detida. Em março de 2013, a juíza  Marilda Rios negou novo pedido da defesa para levantar a medida de privativa de liberdade que pesa contra ela, uma vez que já cumpriu a pena mínima (3 anos) crime que está sendo julgado à revelia, de acordo com as disposições do artigo 230 do CPC ", disse ela.

Andenas terminou o seu discurso, "pedindo ao governo da República Bolivariana da Venezuela para libertar imediatamente a Sra. Afiuni e fornecer uma reparação efetiva."

A Juíza Afiuni foi detida e presa no Instituto Nacional de Orientação Feminina (INOF) em 10 de dezembro de 2009, após deixar em liberdade condicional   Eligio Cedeño, cumprindo assim uma resolução da ONU. Ela é acusada pelos supostos crimes de corrupção, abuso de autoridade e de incentivo para a evasão.

Em fevereiro de 2011, o Tribunal concedeu a medida de prisão domiciliar, depois que ela passou por uma cirurgia devido a uma patologia no útero. Em novembro de 2012  saiu o livro "Afiuni, a Presa do Comandante", onde a juíza revela que  tinha sido abusada sexualmente quando estava presa em INOF.


Comentários