Arlindo Chinaglia (PT-SP) afirmou que o governo irá perder na votação do Ato Médico



BRASÍLIA — O líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), afirmou no início da tarde desta terça-feira que o governo irá perder na votação do Ato Médico, lei que regulamenta o exercício da medicina, e que o veto da presidente Dilma Rousseff será derrubado, o que levará o governo a levar o assunto para a Justiça. Também nesta terça-feira Dilma encaminhou ao Congresso um projeto de lei alterando o Ato Médico, para suprir lacunas que ficaram no texto após os vetos feitos por Dilma.

— Não temos condição de reverter essa situação. Existe maioria para derrubar o veto. Todos os que são contra (ao veto) já foram alertados. Se o veto cair, vamos judicializar o caso, vamos à Justiça. Não é o que queríamos, mas não produzimos um acordo. Meu limite é a saúde do paciente — disse Arlindo Chinaglia.

Na Câmara, os ânimos estão acirrados em torno desse assunto. De um lado, estudantes de Medicina e médicos, com jaleco, pedindo derrubada do veto.

— Faço Medicina! Faço Medicina! — gritava um grupo de estudantes do curso.

De outro, como se fosse um confronto, profissionais de outras áreas de saúde rebatiam:

— Reserva de mercado! Reserva de mercado!

O texto do Ato Médico foi aprovado em junho pelo Parlamento, mas sofreu vários vetos quando sancionado por Dilma. Isso gerou lacunas que poderão ser preenchidas com o novo projeto de lei.



Comentários