Carta da Prisão: Relato do Advogado Juan Carlos sobre tortura praticada por policiais e uma médica Cubana


Essa comovente carta do Advogado Juan Carlos ,ativista dos Direitos Humanos e deficiente visual,foi escrita no ano de 2002 em uma masmorra dos Castros .O mais grave dessa história animalesca e inumana é o relato de Juan sobre a tortura que sofreu da Dra. Dania Marqués Cabrera que aplicou castigos terríveis em seu corpo e alma. A médica  tinha por obrigação moral e ética ,o dever de proteger a sua vida,porém  seu comportamento a época galgou os limites da irracionalidade.

Mário Augusto




O advogado e ativista cristão Juan Carlos González Leiva , presidente da Fundação Cubana de Direitos Humanos, está sendo fisicamente e psicologicamente torturado nas dependências da Segurança do Estado da cidade de Holguin, a leste da ilha.



González Leiva se encontra preso desde 4 de março. Naquele dia, juntamente com outros sete dissidentes e um jornalista freelance, estava visitando um repórter não Castrista , Jesús Alvarez Castillo, que foi hospitalizado por causa de uma surra que ele havia recebido de membros da polícia cubana. Ativistas de direitos humanos e jornalistas feridos fizeram um protesto pacífico e gritaram : ' Viva os direitos humanos ' e ' Viva Cuba livre ! " . Logo depois, eles foram brutalmente atacados por guardas de Fidel Castro e grupos paramilitares e foram presos - as autoridades da ilha ordenaram que os detidos fossem distribuídos em várias prisões do país.

Juan Carlos González Leiva é cego , o que levou , no final dos anos noventa a criar a Sociedade Independente de Cegos de Cuba. Sua esposa, Maritza Calderin Columbie , tem difundido por telefone a carta que seu marido escreveu na prisão onde ele está sendo torturado . O presidente da Fundação Cubana de Direitos Humanos, cego e doente, conta em sua carta como Fidel Castro trata aqueles que se recusam a desistir e não se contentam em ser escravos :



A CARTA



Eu sou Juan Carlos Gonzalez Leiva , um cubano cego e desde 04 de março estou confinado em prisões da Segurança do Estado cubano .


Hoje eu disse a minha família durante a visita ,em frente ao oficial Urgelles , instrutor que me atende é o Major Faguo , chefe da unidade prisional, que não sabia se iria sair daqui vivo e que eu estou em perigo morte.


Eu peço assistência médica e embora eu tenha visto diferentes especialistas não me fazem exames para descobrir a origem do problema . Eu tenho uma dor aguda no peito que foi em decorrência de uma pílula que tomei, prescrita por um psiquiatra no Ministério do Interior e que me fez perder a consciência. A dor está no centro do peito , como uma queimação, irradiada para ambos os braços , axilas e leva as minhas mãos cãibras . Às vezes é muito forte. Dra. Dania Marqués Cabrera, que atende aos presidiários e  policiais , disse que não tenho nada .


Esta senhora me disse outro dia que não tivesse tanto medo da morte ,porque todos nós teremos esse destino , e se eu morrer, me enterram . Eu perguntei : " Você quer morrer? ' . Ao que ela respondeu: " Não, mas eu tenho uma razão para viver " . Acaso ela pensa, que nós, os defensores dos direitos humanos não temos uma bela razão para viver ? Eles Parecem que veem em nós animais e não seres humanos cheios de sensibilidade , humanidade e amor . Esclareço que tenho medo da morte , mas eu amo a vida . Eu acho que eles estão tentando me matar lentamente destruindo meu sistema nervoso e meu coração.


Essa doutora vem me tratando de várias maneiras, mas sem um diagnóstico definitivo .Uma vez diz que eu tenho osteocondrite , em seguida, esofagite ou muitos outros problemas. Nos últimos dias me receitou ' Bueaprednin ", mas esse medicamento aumenta a pressão . Na semana passada, sem nunca ter sido hipertenso, (embora ela diga que eu sou) , tinha 160 X100. Minha pressão sanguínea normal sempre foi de 110 X70. O que teria sido de mim se eu tivesse tomado o Bueaprednin ? Ela também prescreveu ' Apaver ' , mas minha esposa consultou um médico, que lhe disse que o medicamento era para os músculos lisos , como os rins .


Ao discutir a minha saúde com essa médica , cujo diagnóstico dela é que eu não tenho nada , o preso que é meu companheiro de cela , entrou na conversa e ameaçou me pegar quando estivessemos sozinhos e me daria uma surra no período da tarde . Tudo isso veio porque eu pedi a ajuda médica que não quer me dar.

Em vez disso me trancaram sozinho em minha cela, cego como estou sem ar ou sol. Por esse motivo que eu comecei aqui a sofrer de claustrofobia que me levou a tomar mais remédios para os nervos.

O detento ameaçou matar -me para roubar meus pertences , comida e remédios . Pedi-lhes para tirar o homem da minha cela , pois não há garantias ao seu lado , por isso estou agora completamente isolado e quando eu gritar por socorro , ninguém pode me ouvir. Só me vêem quando chega o controle de rotina .

Eu não consigo comer , eu tenho a digestão como paralisada. A médica me acusou de estar " fingindo " . Expliquei que não estou , e que tenho uma total inapetência . Eu só posso ingerir um pouco de líquido . O resto eu não posso comer . Eu estou tão doente que tenho certeza que só Deus pode abrir as portas desta prisão, para eu sair vivo . E nele eu confio. Eu sei que eles estão tentando me destruir. Mas, se eu morrer , vou feliz , sabendo o que eu faço é para defender a causa que é Deus , isto é, para defender os direitos que Ele nos deu quando criou os seres humanos, e defendendo o amor ao nosso Pai e ao próximo .


Em outro dia, a enfermeira chamou a médica e disse a ela que tive um ataque cardíaco(Infarto) . Por que brincar com estas coisas? Além disso, a médica me disse que na semana passada um preso comum tinha matado com uma facada um prisioneiro político em uma das prisões aqui em Holguin . Perguntei a ela: Dra. O que você pretende dizer com estas coisas?

Um oficial me disse que quando se quer morrer , se morre. Como me fazendo ver que eu estou provocando a minha própria morte. Repito que não é assim. Tenho dor no peito que é real. Apesar de tudo o que eu sinto, eu estou confiando em Deus e em Jesus Cristo. Nunca desistirei de meus princípios.

Peço a todas as pessoas que estou enviando esta carta, para orar por mim e meus colegas que somos acusados ​​de crimes comuns , sendo defensores dos direitos humanos e que não temos sequer o benefício da fiança.


Com amor abraço e confio em sua ajuda


Juan Carlos González Leiva 






Nota do Autor do Texto

Dos oito presos com Juan Carlos , pelo menos três têm manifestado queixas semelhantes . Delio Laureano Resquejo disse em uma carta a um amigo que não vai deixar a cadeia vivo. Sofre de uma hipertensão sustentada e um dia perdeu a consciência. Lexter Tellez Castro ouviu um guarda pedir a outro preso para matá-lo . A Carlos Brizuela Yera colocaram perto de um preso que foi orientado a provocar uma briga.


Carta lida pela esposa de Juan Carlos González Leiva por telefone.

O Comissário Europeu para o ' Desenvolvimento e Ajuda Humanitária , Paul Nielson, expressou a preocupação da Comissão Europeia com a prisão em Cuba de Juan Carlos González Leiva . O comissário disse: 'O Grupo de Trabalho de Direitos Humanos da União Europeia " na ilha, está acompanhando 'o que eles estão fazendo com o presidente da Fraternidade de Cegos Independentes de Cuba.


José Ramón Fernández , vice-presidente de Fidel Castro, pela segunda vez na Espanha até agora este ano foi recebido na primeira semana de julho, pelo menos, pelos presidentes das comunidades autônomas de Cantabria, Catalunha e Extremadura. Nem o funcionário Castrista nem seus anfitriões , se lembraram do destino do dissidente cego. Os negócios ocupavam todo o seu tempo . José Ramón Fernández não se entende com José María Aznar , mas tem muito boas relações com muitos políticos espanhóis,o que ajuda a obter financiamento para prender dissidentes que se atrevem a gritar : " Viva Cuba livre ' E ' viva os direitos humanos ! ' .

Depois de torturar e matar na ilha Prisão , ' O galego Fernández , um dos tipos mais sinistros do regime comunista cubano , é recebido com honras pelos chefes Espanhóis . Entretanto, como muitos outros, Juan Carlos González Leiva , doente e cego,está morrendo nas masmorras de Fidel Castro. Quem se importa?


Traduzido do original:
Carta desde la cárcel por
Victor Llano
Juan Carlos González Leiva está em uma das prisões de Castro por mais de quatro meses. Ele está sendo torturado e desde o seu inferno conseguiu enviar uma carta à sua esposa


Nota do Blog:

O ativista Juan Carlos González Leiva.é Membro do Conselho de relatores de Direitos Humanos e,hoje é colaborador do site CubaNet

Juan Leiva



Poderá gostar de:


















Lista dos inscritos para o Projeto Mais Médicos - Lista (Nome,Cidade .Divulga a alocação dos médicos formados em instituição de educação superior estrangeira, inscritos para o Projeto Mais Médicos

Comentários