CUBA: O Hospital “William Soler” por dentro



O " William Soler " no bairro de Alta Havana , é um dos hospitais infantis mais importantes de Cuba 

Lá, Virginia entrou com seu pequeno Pedro Alberto , de seis anos , em 17 de outubro . A criança passou por uma cirurgia no dia seguinte devido a uma criptorquidia : era necessário levar o testículo a bolsa escrotal.

Virginia narrou os detalhes da permanência naquele lugar.

-Disseram que deveríamos chegar as 8h da manhã -é preciso chegar cedo para ir ocupando os leitos que vão ficando vazios.

- Resolvido o ingresso no hospital , me indicaram o local onde entregam os ventiladores. Para poder receber este equipamento você tem que deixar como garantia a Carteira de Identidade . Mas, para conseguir a roupa de cama e pijama , você também tem que entregar a Carteira de Identidade (a Lei , que criou esse documento proíbe a solicitação dele como garantia ) . Como este tipo de situação é comum , quase sempre os pais tem que ir, ou outro parente próximo, para entregar uma outra identidade.

- Na sala existem 30 camas , todas com pacientes. E como são crianças, todos têm acompanhantes . Éramos 60 pessoas , e apenas dois banheiros.


Não há equipe de limpeza. Os papéis utilizados são lançados em um tanque de plástico que estava sujo e havia papéis espalhados no chão.


- Alguns pais se ofereceram para limpar toda a sala , mas a proposta não foi aceita. A cortina onde estão os dois chuveiros de água  fria, é de tela  . É impossível não ver você tomando banho , e não se pode fechar a porta, porque com tantas pessoas , especialmente com tantas crianças , em algum momento alguém pode precisar usar o banheiro. Eu tive que tomar banho muito tarde da noite , quando vi que todos estavam dormindo.

- Algo que eu não tinha dito é que na sala não tem TV , e onde há crianças , que naturalmente estão estressadas , acho que era preciso uma televisão .


- Mas o pior de tudo era que o meu filho antes de entrar na sala de cirurgia teve uma crise de hipoglicemia e precisou tomar soro. Ele jejuou 18 horas. Havia problemas de atraso na sala com outras intervenções , e então ele , que deveria ter sido operado de manhã , só foi às três da tarde. 


"Mas graças a Deus, tudo correu bem na operação, e  o cirurgião e outros médicos me disseram que se não houvesse complicação poderia sair de manhã . Mas quando chegou a hora, o chefe da sala ( que era um médico estrangeiro chamado Augusto M. Zambrano Garcia) me disse que não poderia dar alta a criança, porque se algo acontecesse de errado ele estaria em maus lençóis.


- Tive que dizer que levaria o meu filho sob a minha responsabilidade , então foi quando o médico concordou em dar alta. Estar naquele hospital, não é nada agradável 


E quando pensamos que todas as dificuldades haviam terminado ,surgiu outra no momento de devolver o que tinham nos entregado quando chegamos ao hospital. A pessoa que estava guardando a Carteira de Identidade do meu marido, não estava no departamento . Devolvemos as roupas de cama e pijamas , mas meu marido teve que ir outro dia para pegar a identidade. Sou grato aos médicos que trataram meu filho, mas espero não precisar novamente colocar meu filho naquele lugar.

Permanentemente , as autoridades e a mídia do governo culpam o embargo Americano pelas necessidades existentes do setor da saúde . Será isso realmente ? Mesmo dando o benefício da dúvida , não seria possível , por exemplo, tirar um ` pouquinho do orçamento anual , o que deve ser substancial , porque eles nunca divulgam , das Forças Armadas e do aparato repressivo e do Partido Comunista , para comprar uma cortina de banho adequada para colocar no chuveiro e uma TV para a sala do hospital William Soler e, dizer a certos médicos que as mães cubanas merecem ser tratadas com respeito. Claro que é possível e isso não vai colocar em risco o estado .

El Hospital “William Soler” por dentro

Comentários