SINMED AL : Fenam não está cumprindo o papel de defender os interesses da classe médica brasileira



Nota de Repúdio

O Sindicato dos Médicos de Alagoas vem a público repudiar a direção da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), entidade máxima de luta da categoria, por uma série de irregularidades cometidas pela atual gestão, em total desrespeito ao Estatuto da Federação e às decisões do Conselho Deliberativo. O presidente da Fenam, Geraldo Ferreira Filho, implantou uma gestão presidencialista-ditatorial, deixando de obedecer ao Estatuto e às deliberações do Conselho formado por representantes de Sindicatos Médicos de todo o Brasil, passando a agir apenas em função de seus próprios interesses.

No final de novembro passado, Geraldo Ferreira Filho convocou um Congresso Extraordinário da Fenam, em total desacordo com o que determina o Estatuto da Federação, com o objetivo de modificar o Estatuto de forma a aumentar seu mandato e também o seu salário líquido, fixado agora em R$ 17 mil, fora as diárias. Os sindicatos que têm discordado das ações do atual gestor foram alijados de participação no Congresso, devido às irregularidades na convocação, feita de forma sigilosa, impedindo a habilitação de seus representantes para a votação da pauta.

Dessa forma, o Estatuto da Fenam foi modificado ampliando o mandato do atual presidente, que também ganhou outros poderes, praticamente anulando o poder de atuação do Conselho Deliberativo. As mudanças – inclusive o aumento do salário – foram aprovadas sem que houvesse o quórum regimental previsto no Estatuto da Federação.

Diante disso, vários Sindicatos Médicos já ingressaram com ações na Justiça para reverter às mudanças aprovadas no último congresso, devendo o Sinmed Alagoas seguir o mesmo caminho. Da forma como vem sendo conduzida, a Fenam não está cumprindo o papel de defender os interesses da classe médica brasileira – nas lutas por carreira de Estado, remuneração digna e condições éticas de trabalho nas redes públicas de saúde.

O Sinmed Alagoas posiciona-se firmemente contra a implantação do regime ditatorial na Fenam, defende a manutenção do Estatuto aprovado democraticamente e que a entidade máxima de defesa da classe médica volte a cumprir seu papel de defender os interesses profissionais dos médicos brasileiros.



Maceió (AL), 20 de Dezembro de 2013.





A Diretoria

Comentários