Missão Médica : "Realizar abortos pode ser a galinha dos ovos de ouro para os cubanos"

Mais de 37.000 trabalhadores da saúde cubanos, incluindo médicos e enfermeiros, são enviados e explorados pelo regime no exterior

Estima-se que a ditadura recebe 8 bilhões de dólares por ano por  seus serviços

Os  médicos recebem menos do que US $ 100 por mês

Dr. Darsi Ferrer Ramírez,  afirma que o programa está repleto de corrupção 

Ramon Gonzalez , um refugiado que trabalhou em missões médicas em Gana e Gâmbia, afirma que existe  um negócio ainda mais lucrativo : a prática médica privada , incluindo abortos. 

Médico cubano, Dr. Felix Ramirez, que desertou em Gâmbia da exploração do regime dos Castro e fugiu para os Estados Unidos.






Felix Ramirez entrou um cibercafé em Gâmbia, e procurou na Internet as informações de contato de diplomatas norte-americanos , e chamou a Embaixada dos EUA em Banjul, a capital do país Africano.


Ramirez disse à recepcionista que era um turista americano que havia perdido seu passaporte e pediu para falar com o escritório que emite passaporte . Enquanto esperava a conexão, praticou o roteiro que ele tinha memorizado : " Eu sou um médico cubano que quer ir para os EUA Quando nos podemos ver ?" .


O médico conta que foi orientado a ir um supermercado em Banjul e procurar uma mulher loira com um vestido verde , que seria uma funcionária do consulado . Após algumas voltas , eles começaram a conversar.


Esse encontro furtivo foi em setembro de 2008 dando início a uma travessia para o cirurgião de 37 anos que terminou em maio de 2009 em Miami , onde se tornou um refugiado com estatuto legal e possibilidades de obter a cidadania.


Ramirez é parte de uma onda de cubanos que desertaram para EUA desde 2006 ao abrigo de um pequeno programa pouco conhecido chamado em inglês de Cuban Medical Professional Parole ( CMPP ), que permite aos médicos e alguns outros profissionais de saúde cubanos que trabalham para o governo no exterior entrar imediatamente os EUA como refugiados. Dados divulgados ao The Wall Street Journal sob o Freedom of Information dos EUA mostram que , até 16 de dezembro, os consulados dos EUA em 65 países emitiram 1.574 vistos CMPP .


Cuba tem enviado "brigadas "médicas ao exterior desde 1973 para apoiar regimes "revolucionários" em países como a Etiópia , Angola e Nicarágua e , talvez o mais importante, seja para ganhar dinheiro. O jornal oficial do Partido Comunista cubano , Granma , informou em junho que Cuba tinha 37.041 médicos e outros profissionais de saúde em 77 países . Estimativas do que Cuba ganha com suas equipes de médicos, o que o banco central de Cuba considera " exportação de serviços" - são muito diferentes , atingindo até $ 8000 milhões por ano. Muitos cubanos se queixam de que as brigadas minaram a capacidade de Cuba em manter o país com um alto padrão de qualidade médica.

A iniciativa de imigração dos EUA recorda o tipo de estratégias típicas da Guerra Fria, ao interferir com o programa cubano incentivando as deserções do pessoal médico estacionados ao redor do mundo , uma média de um profissional ao dia desde a sua criação em 2006. Normalmente Cuba não inclui médicos , entre pelo menos os 20 mil cubanos que são autorizados a imigrar para os EUA cada ano.

Funcionários do Departamento de Estado dizem que o governo dos EUA não tem a intenção de utilizar o CMPP para espionagem ou frustrar missões médicas . Aos médicos cubanos , disse um porta-voz da instituição, " o governo cubano frequentemente tem negado vistos de saída para vir para os EUA . " Um dos objetivos do CMPP é fazer com que Cuba modifique estas práticas . As relações entre Cuba e os EUA, ao contrário das expectativas de alguns, não melhoraram muito sob a administração Obama, parece improvável que Washington mude sua política sobre CMPP .


O CMPP foi uma ideia do diplomata , o cubano Emilio González , diretor de serviços de imigração e cidadania dos EUA 2005-2008 . Gonzalez , ex- tenente-coronel do Exército dos EUA, é um exílado anticastrista fervoroso , e tem qualificado a política de envio de médicos cubanos e outros profissionais de saúde ao exterior de "tráfico humano patrocinado pelo estado . "Os Médicos cubanos , diz ele, trabalham diretamente para as autoridades de saúde em outros países e não podem decidir sobre o seu destino , salários, horas e condições de trabalho.

Os Próprios médicos cubanos têm uma opinião diferente sobre os seus destinos no exterior . Seus salários em Cuba não excedem US $ 25 por mês. Ao trabalhar em outros países , os cubanos recebem seus salários , além de um salário mensal de US $ 50, ambos pagos a seus dependentes , enquanto vivem fora da ilha , de acordo com médicos cubanos entrevistados para este artigo . Além disso, ganham salários no exterior entre $ 150 a US $ 1.000 por mês , dependendo da missão , segundo os médicos .


" No Haiti ,nos pagaram US $ 300 por mês em gourdes , a moeda local", disse um médico que voltou para Cuba , depois de trabalhar no exterior. " Convertia o meu salário , e vivia bem , com US $ 100 por mês . " Com suas economias , diz ele,comprei uma televisão e um computador portátil, itens que não poderia conseguir ficando em Cuba .

Ramon Gonzalez , um refugiado que trabalhou em missões médicas em Gana e Gâmbia, afirma que os instintos empresariais dos cubanos oferecem oportunidades de lucro quase ilimitadas . " Se você vai a um mercado de "pulgas" e compra um maiô feito nos EUA , qualquer coisa da marca Speedo ou Nike , que custa 45 centavos de dólares na África ", diz ele . "Podemos vender por US $ 5 em Cuba. "


González menciona que existe  um negócio ainda mais lucrativo : a prática médica privada , incluindo abortos. O médico diz que realizar abortos pode ser a galinha dos ovos de ouro para os cubanos , especialmente em países do Oriente Médio , que pagam os melhores salários .

" A grande maioria dos médicos cubanos lutam para ir em uma missão já que podem acumular milhares de dólares", diz o Dr. Darsi Ferrer Ramírez, diretor do grupo antigovernamental Centro de Saúde e Direitos Humanos Juan de Bruno Zayas , em Havana.

O dissidente de 41 anos afirma que o programa está repleto de corrupção . " Sabemos que para entrar nos melhores países - estamos falando sobre a África do Sul, Brasil - há funcionários que recebem dinheiro por baixo da mesa . Custa entre US $ 500 e US $ 1.000, " afirma.


O programa de imigração dos EUA oferece outra razão para os médicos cubanos que trabalham no exterior : a possibilidade de se estabelecer nos EUA Os demais cubanos que solicitam asilo devem atingir a costa americana antes de fazer o pedido. Sob o CMPP ,os médicos cubanos podem fazer o procedimento de embaixadas dos Estados Unidos em qualquer lugar do mundo.

Dos quase 1.600 deserções até 16 de dezembro, mais de 800 trabalhadores do setor de saúde desertaram da Venezuela, e cerca de 300 de Curaçao e Colômbia , que têm brigadas médicas cubanas , porém são mais facilmente acessíveis a partir de Venezuela. Outros 135 vieram de quatro países: Bolívia, Guatemala , Namíbia e Peru . Alguns aderiram ao programa a partir de locais remotos, como Qatar, Fiji , Ilhas Maurícias e Djibuti.

A odisséia de Ramírez começou quando ele foi eleito para trabalhar por dois anos na Gâmbia. O médico diz que seu objetivo desde o início era usar CMPP para desertar . Ele diz que manteve seu plano secreto de seus pais e sua esposa , que ficaram na ilha quando ele viajou em 2008. Quando ele chegou em Banjul , como parte de uma delegação cubana de 138 pessoas , teve que entregar seu passaporte para o pessoal de segurança da embaixada cubana.

Quando decidiu desertar e contatou a funcionária dos EUA -disse que era chamada de Wendy Kennedy, Ramírez teve que esperar alguns meses para saber se haviam concedido asilo , informação que recebeu por telefone em maio de 2009.

O Departamento de Estado dos EUA não permitiu falar com a funcionária Kennedy, mas confirmou alguns detalhes da história de Ramirez , incluindo que Kennedy trabalhou em Gâmbia nas datas solicitadas do asilo.

Conseguir um visto era uma coisa, mas sair de Gâmbia era outra completamente diferente. Sem passaporte , a melhor opção para não alertar os cubanos era ir por terra para o Senegal, um país que chegou por causa de sua amizade com um paciente um rico empresário libanês que fez contato com um contrabandista que concordou em levá-lo para a nação vizinha por $ 500.

Uma vez no Senegal mostrou no aeroporto internacional os documentos de entrada nos EUA que lhe permitiu tomar um vôo para a Espanha. Chegando neste país, um diplomata dos EUA facilitou o processo para embarcar em outro avião com destino a EUA

Não está claro o efeito que tem as deserções como a de Ramirez no programa de missões médicas de Cuba. Apenas uma pequena percentagem de médicos cubanos enviados para o exterior desertaram , o que torna improvável que as ações de Washington tenham reduzido a receita arrecadada pelo regime de Castro .

Também é difícil obter informações mostrando exatamente quanto dinheiro ganha Cuba com as brigadas médicas . A ilha recebe um pagamento direto do governo anfitrião ou de um grupo de ajuda internacional. Aos médicos cubanos eles só pagam uma parte do que ganha o governo cubano .

Julie Feinsilver, especialista em diplomacia médica cubana do centro de estudos Conselho de Hemisféricos ( COHA por sua sigla em Inglês ), em Washington , caracteriza estes acordos de benéficos para o governo cubano e os países anfitriões. " Acreditam que é possível contratar médicos por menos de US $ 1.000 por mês ? .

O governo cubano ganha dinheiro , mas muito menos do que outros ganhariam por serviços similares . "

Meses depois, Ramirez e outros cinco cubanos que desertaram com ele da Gâmbia estavam em Miami. Quatro deles trabalham como instrutores em Dade Medical Colega .

Ramirez é cirurgião assistente no hospital Baptist Health South Florida, em Homestead, Flórida.

Os Pais e esposa de Ramirez e um filho nascido logo após deixar a África e que nunca viu - permanecem em Cuba, em Camagüey . Eles têm direito a receber vistos de entrada aos EUA sob a CMPP , mas não há virtualmente nenhuma chance de deixarem a ilha em breve. Ramirez diz que sua esposa perdeu o emprego em um hospital devido a sua deserção .


"Eles estão na lista negra por cinco anos , pelo menos ", diz Ramirez. " Agora eu sou um traidor. "




Comentário:

Chegando nos Estados Unidos os médicos cubanos que pretendem exercer a medicina, devem cumprir os requisitos legais para a contratação de profissionais da área de saúde, que consiste na apresentação e aprovação de exames profissionais de suficiência conhecido como "O United State Medical Licensing Examination ( USMLE ) " , cursos de Assimilação e também cumprir com o tempo de prática supervisionada , respectivamente.

É importante dizer que nem todos os candidatos conseguem passar nos exames , muitos deles nem sequer conseguem cumprir os requisitos legais , permanecendo apenas na intenção.


Traduzido do original pelo Blog Alagoas Real
Se copiar,citar a fonte!

Por Joel Millman
Médicos cubanos desertan de la explotación de la dictadura castrista
The Wall Street Journal

Comentários