Venezuela é governada por um regime antidemocrático,ilegítimo e que obedece aos interesses de Cuba

Enrique Aristeguieta Gramcko


Enrique Aristeguieta Gramcko é bem versado no assunto das ditaduras. Ele é o único membro vivo da Junta Patriótica, um grupo que desempenhou um papel fundamental na derrubada do ex-homem forte venezuelano Marcos Pérez Jiménez em janeiro de 1958 para iniciar a era democrática do país sul-americano. 


Mas o advogado de 80 anos afirma que nunca antes houve tanta necessidade de derrubar uma ditadura no país como no presente enfatizando que a Venezuela é agora governada por um regime ilegítimo, não democrático que reflete os interesses de outro país. 

E o regime chavista, agora liderado por Nicolás Maduro, fez muito mais danos ao país que poderia ter feito Pérez Jiménez, disse Aristeguieta direto de Caracas, em entrevista por telefone. 


"Pérez Jiménez era um ditador,foi um ditador desonesto, era um ditador que tinha um monte de pessoas na prisão perseguidos políticos e queria continuar no poder de forma ilegal", disse Aristeguieta. 


"Mas ele não criou uma nação despedaçada. Não foi uma ditadura destrutiva do ponto de vista material ", acrescentou o advogado. 


O Chavismo, primeiro sob o comando do falecido Hugo Chávez e agora com Maduro no comando, tem sido uma das maiores tragédias do povo venezuelano em sua história. 


É um projeto político que chegou ao poder através de eleições e começou a destruir as instituições democráticas para estabelecer uma ditadura. Mas, não contente com isso, começou a destruir a infra-estrutura produtiva do país, incluindo a indústria de petróleo, hoje no chão, disse ele.


"A Venezuela está agora em ruínas . Está absolutamente arruinada. Aqui se destruiu o sistema de produção de um país que estava em processo de desenvolvimento quando Chávez assumiu . Havia um programa de diversificação das exportações , de modo que o petróleo não fosse a nossa única fonte de renda . Isso foi varrido do mapa ", comentou.


Aristeguieta é um dos mais de uma dúzia de notáveis ​​que estão defendendo para começar o mais cedo possível uma transição política em meio a acontecimentos recentes no país.


O movimento apresentou na semana passada um proclama intitulado , Urge uma transição para resgatar a Democracia na Venezuela , argumentando que a medida é necessária para evitar que se produza na Venezuela uma "catástrofe humanitária".


De acordo com um comunicado emitido pelos signatários do documento , entre os quais diplomatas, ex- candidatos presidenciais, ex-senadores e ex- governadores a necessidade de ação é urgente.


"A crise econômica terrível , a polarização política , a arbitrariedade e a ingerência cubana, constituem uma combinação perigosa que pode levar ainda a mais graves confrontos , de longo alcance e duração. É um dever de todos os cidadãos conscientes ​​impedir que isso aconteça " , disse os signatários em um comunicado.


" Além disso , o Chavismo - protegido pelo regime castro comunista cubano- não se contenta em causar destruição em nosso próprio território , mas tem exportado seu modelo perverso para outros países vizinhos , o que ameaça a estabilidade e a paz regional " acrescentaram.


A transição para a democracia , inevitavelmente, passaria por um golpe de Estado , uma vez que as Forças Armadas é a única instituição no país que pode forçar a saída do regime.

Mas essa medida é justificada pela Constituição , disse Aristeguieta .


O regime cometeu nada menos do que 173 violações da Constituição que " na prática, constituem golpes sucessivos de Estado que destruíram a democracia no nosso país", disse o advogado.

Estas violações tem divididos em dezenas de pedaços o hilo constitucional e o chavismo tem operado fora do âmbito da lei e da legitimidade há muitos anos , disse ele.


E a Constituição no artigo 333 , prevê que se a Constituição deixar de ser observada por qualquer ato de força , todo venezuelano é obrigado a agir para restaurá-la, disse ele.

"Isso [ a intervenção militar ] está plenamente justificada moralmente . É um direito moral que temos , mas este é também um dever constitucional. É uma obrigação constitucional " , disse Aristeguieta .

Mas também é necessário porque o regime de Maduro opera representando os interesses cubanos.

Isto ficou evidente recentemente na forma como o regime de Maduro está cedendo frente as exigências territoriais da Guiana.

"Este governo tem permitido , porque é bom para Cuba , o acesso à plataforma de petróleo no território disputado no mar que está à frente deles ", disse o advogado.


" A política externa da Venezuela quem desenha é Havana ", enfatizou .

Enrique Aristeguieta Gramcko fala a nação(Vídeo)

Clique no Play !
.



Traduzido pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte

Do original:

Comentários