Para salvar os palestinos,é preciso erradicar o Hamas

Se eles querem a paz no Oriente Médio, não há alternativa senão liquidar o Hamas. Esse é o caminho para a esperança.




*Carlos Alberto Montaner


O exército Israelense não deveria abandonar Gaza sem antes acabar com a liderança do Hamas e seus gerentes de nível médio (no sentido figurado, é claro), até o ponto em que a organização terrorista não pudesse ser revitalizada. 


Destruir mísseis e túneis é um trabalho conveniente, mas provisório. Antes de um ano os mísseis serão substituídos por outros mais letais e precisos, haverá novos túneis e a violência ressurgirá, provavelmente mais virulenta. 

O problema é o Hamas. É ele o problema de israelenses e dos habitantes de Gaza. Fanáticos suicidas, ao longo dos anos, já cometeram 72 ataques e mataram 1.410 judeus, incluindo 96 crianças. Mas eles também mataram ou executaram centenas de palestinos ligados ao Fatah, a organização que governa a Autoridade Palestina na Cisjordânia. 


A Al Fatah também tem as mãos manchadas de sangue , mas o Hamas, é que tem produzido uma estranha filosofia da morte.O Artigo 8 º do seu Estatuto Social, lançado em 18 de agosto de 1988, diz claramente: 
"Alá é o seu objetivo, o Profeta seu modelo, o Alcorão sua Constituição, a Jihad seu caminho e a morte pela causa de Alá sua mais sublime crença ".


Matar e morrer são motivos de alegria nesta estranha irmandade de horror.Eles enviaram milhares de foguetes contra Israel para provocar a reação do Estado judeu. Queriam que o poderoso exército vizinho causasse baixas. Então, usaram escudos humanos, escondendo mísseis e armas em escolas , hospitais e ameaçavam os civis enquanto fugiam da zona de combate. 

Israel tem direito de defender seu povo, incluindo-se os 18% dos árabes israelenses -, mas,embora seja ou não esse propósito, a luta contra o Hamas traz muito mais benefício para os palestinos que são mantidos reféns por esta banda delirante de fanáticos religiosos. O que pode desejar, realmente, qualquer sensato cidadão de Gaza, de uma organização que só traz tanta dor para suas casas? 


Não é a primeira vez que liquidar um inimigo com essas características acaba favorecendo a sociedade a partir do qual o inimigo vem.


Um exemplo extraordinário é o Japão. Em maio de 1945, os alemães se renderam, mas os japoneses permaneceram teimosamente em luta. Em Washington, onde Harry S. Truman era presidente, Prof William Shockley foi convidado para uma estimativa matemática do custo em vidas humanas de uma invasão hipotética do Japão , semelhante a que desalojou do poder o nazismo. 

Shockley, voltou com uma previsão sombria: os americanos, a julgar pela história, eles iriam matar entre 5 e 10 milhões de japoneses, porém os americanos sofreriam de 1,4 a 4 milhões de baixas , das quais morreriam 800 000 soldados . 


.Truman acreditou nos cálculos de Shockley e levou a sério o resultado. Em julho de 1945, os Estados Unidos testaram com sucesso a primeira bomba atômica. Washington foi rápido em advertir os japoneses que eles deveriam se render ou seriam vítimas de uma arma terrível. Eles ignoraram. Em 6 de agosto, os EUA lançaram o primeiro dispositivo em Hiroshima. Morreu de repente, cerca de 150 000 pessoas e a cidade foi pulverizada. Em 9 de agosto caiu outra bomba em Nagasaki. Cerca de 80.000 japoneses foram carbonizados. No dia 15 ,o Japão se rendeu. 


Foi algo terrível, mas a barbárie atômica,da qual o mundo estava chocado com 230 000 japoneses mortos salvou 10 milhões de japoneses, enquanto os EUA salvaram 800.000 vidas. Alguns anos mais tarde, com suas virtudes sociais e a ajuda dos EUA, os japoneses estavam à frente do mundo e as cidades destruídas esplendidamente renasceram das cinzas. 


Espero que ninguém pense que defendo o uso de bombas atômicas para destruir o Hamas. Deploro as guerras e creio que as armas nucleares deveriam ser proibidas, mas eu afirmo que é muito importante salvar vidas árabes e de israelenses. 


Não tenho ideia de quantos árabes ou israelenses conservarão a vida se o Hamas deixar de existir, mas eu acho que serão milhares . Além disso, será muito mais fácil criar um Estado palestino ao lado de Israel. Parece que o Fatah está disposto a tentar, mas o Hamas se interpõe. Se querem a paz no Oriente Médio, não têm escolha, a não ser liquidar o Hamas. Esse é o caminho da esperança.

Traduzido e editado pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar o Blog Alagoas Real e a fonte
Do artigo original 

Comentários