Dois grandes grupos de vírus da raiva exibem tendências evolutivas distintas


Filogenia - Raiva

Usando centenas de sequências de genomas virais, os cientistas mostraram que dois grandes grupos de vírus da raiva têm tendências evolutivas únicas. Os seus resultados são apresentados em um novo estudo publicado na PLoS Pathogens .


Doenças que saltam de outros hospedeiros vertebrados para seres humanos são uma grande ameaça para a saúde pública, mas os mecanismos evolutivos por trás desses saltos são mal compreendidos. Com sua longa história de salto entre as espécies hospedeiras, o vírus da raiva oferece uma boa oportunidade para identificar padrões evolutivos associados a essas mudanças.

Cécile Troupin do Institut Pasteur, Paris, e colegas compararam 321 sequências de genomas virais coletadas de 66 países ao longo de 65 anos. A análise revelou padrões evolutivos muito diferentes para a raiva relacionada ao morcego, encontrada em morcegos e alguns carnívoros; Versus raiva relacionada ao cão, que é responsável por quase todos os casos humanos de raiva e é encontrado em cães e carnívoros selvagens.

Os dados sugerem que diferentes subgrupos de raiva relacionada ao morcego não evoluem uniformemente, mas a raiva relacionada ao cão geralmente evolui a uma taxa constante.Para a raiva relacionada ao cão, o salto do hospedeiro foi associado a múltiplos padrões evolutivos, tais como mudanças paralelas nas sequências de aminoácidos entre diferentes espécies hospedeiras. Os dados também sugerem que raiva relacionada ao cão pode não precisar evoluir muito para saltar para novos hospedeiros carnívoros.

Analisando mais profundamente a raiva relacionada ao cão, os cientistas encontraram evidências que sugerem que, após o comércio entre os continentes ter começado no século XV, a raiva relacionada ao cão rapidamente se espalhou por todo o mundo. Os autores dizem que a combinação particular de espécies atualmente infectadas por raiva relacionada ao cão provavelmente surgiu como um efeito combinado de propagação histórica por humanos e salto de acolhimento.

"Os dados indicam que diferentes subgrupos de raiva relacionada ao morcego não evoluem uniformemente, mas a raiva relacionada ao cão geralmente evolui a uma taxa constante", explicam os autores. "Para a raiva relacionada ao cão, o salto do hospedeiro foi associado a múltiplos padrões evolutivos, como mudanças paralelas nas sequências de aminoácidos entre diferentes espécies hospedeiras, sugerindo que a raiva relacionada ao cão pode não precisar evoluir muito para saltar para novos hospedeiros carnívoros".

Traduzido e editado pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original e o blog ALAGOAS REAL
Fonte:
https://www.sciencedaily.com/releases/2016/12/161215143545.htm

Comentários