2/28/2017

Doenças Transmissíveis & Análise de Situação de Saúde


OMS -novos antibióticos


Lista de agentes patogênicos prioritários da OMS para a P&D de novos antibióticos


A lista da OMS é dividida em três categorias de acordo com a urgência em que se necessitam novos antibióticos: prioridade crítica, alta ou média.





O grupo mais crítico de todos inclui bactérias multirresistentes, que são particularmente perigosa em hospitais, casas de repouso e entre os pacientes cujos cuidados exigem dispositivos como ventiladores e cateteres intravenosos. Entre elas, estão Acinetobacter, Pseudomonas e várias Enterobacteriaceae (incluindo Klebsiella, E. coli, Serratia e Proteus). São bactérias que podem causar infecções graves e frequentemente mortais, como infecções da corrente sanguínea e pneumonia.


Essas bactérias tornaram-se resistentes a um grande número de antibióticos, incluindo carbapenemas e cefalosporinas de terceira geração – os melhores antibióticos disponíveis para tratamento de bactérias multirresistentes.


O segundo e terceiro nível da lista – as categorias de prioridade alta e média – contêm outras bactérias que são cada vez mais resistentes aos fármacos e provocam doenças comuns, como gonorréia ou intoxicação alimentar causada por salmonela.


Prioridade 1: CRÍTICA
  • Acinetobacter baumannii, resistente a carbapenema
  • Pseudomonas aeruginosa, resistente a carbapenema
  • Enterobacteriaceae, resistente a carbapenema, produtoras de ESBL

Prioridade 2: ALTA
  • Enterococcus faecium, resistente à vancomicina
  • Staphylococcus aureus, resistente à meticilina, com sensibilidade intermediária e resistência à vancomicina
  • Helicobacter pylori, resistente à claritromicina
  • Campylobacter spp., resistente às fluoroquinolonas
  • Salmonellae, resistentes às fluoroquinolonas
  • Neisseria gonorrhoeae, resistente a cefalosporina, resistente às fluoroquinolonas

Prioridade 3: MÉDIA
  • Streptococcus pneumoniae, sem sensibilidade à penicilina
  • Haemophilus influenzae, resistente à ampicilina
  • Shigella spp., resistente às fluoroquinolonas

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Faça seu comentário