Febre Amarela - OMS : a extensão geográfica do surto está aumentando

atualização de dados OMS
Mosquito da Febre Amarela aedes

Febre Amarela Atualização : Notícias de surto de doença - outbreak news now

24 de fevereiro de 2017 - A OMS continua acompanhando a situação epidemiológica da Febre Amarela e emitindo uma avaliação dos riscos com base nas informações mais recentes disponíveis.


Febre amarela - Brasil - OMS : a extensão geográfica do surto - epidemia , está aumentando




  • A taxa de letalidade estimada é de 35% para casos confirmados e 12% para casos suspeitos
  • Seis estados foram afetados pela Febre Amarela : (Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, São Paulo e Tocantins). 
  • a extensão geográfica do surto está aumentando
  • Índices  entomológicos do aedes aegypti nos centros urbanos  são suficientemente altos para sustentar a transmissão de arbovírus, como evidenciado por surtos documentados de dengue, chikungunya e surto de Zika no final de 2016.
  • Espera-se, portanto, que, a curto prazo, continuem a ser detectados casos adicionais de Febre Amarela
  • 883 epizootias de primatas não humanos 
  • Foram notificadas epizootias no Distrito Federal e em Alagoas, Bahia, Goiás, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.
  • A introdução do vírus na Argentina, Paraguai e Bolívia   poderia potencialmente desencadear grandes epidemias de febre amarela.






Entre 1 de dezembro de 2016 e 22 de fevereiro de 2017, foram detectados 1336 casos de febre amarela (292 confirmados, 920 suspeitos e 124 descartados), incluindo 215 mortes (101 confirmadas, 109 suspeitas e 5 descartadas) em seis estados (Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, São Paulo e Tocantins). 

A taxa de letalidade estimada é de 35% para casos confirmados e 12% para casos suspeitos. Até o momento, a maioria (86%) dos casos confirmados são homens e dos quais, aproximadamente 81% têm idade entre 21 e 60 anos.


De 1 de Dezembro de 2016 a 22 de Fevereiro de 2017, foram notificadas 883 epizootias de primatas não humanos (PNS), das quais 337 foram confirmadas para febre amarela por confirmação laboratorial ou ligação epidemiológica. Foram notificadas epizootias no Distrito Federal e em Alagoas, Bahia, Goiás, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.


Avaliação de risco da OMS


O número crescente de casos notificados, a detecção da circulação da febre amarela em novos estados e a ocorrência de epizootias em áreas que anteriormente não eram consideradas de risco de transmissão da febre amarela indicam que a extensão geográfica do surto está aumentando. 


Embora as autoridades sanitárias brasileiras tenham implementado rapidamente uma série de medidas de saúde pública para controlar o surto, incluindo campanhas de vacinação em massa, pode levar algum tempo para alcançar cobertura ótima em algumas das áreas em risco, uma vez que grande parte das populações afetadas estão dispersas e Vivem em locais remotos. Espera-se, portanto, que, a curto prazo, continuem a ser detectados casos adicionais.

Até o momento, nos três estados com casos humanos de febre amarela confirmados laboratorialmente, não houve evidência de transmissão por Aedes aegypti; Entretanto, índices entomológicos nos centros urbanos desses três estados são suficientemente altos para sustentar a transmissão de arbovírus, como evidenciado por surtos documentados de dengue, chikungunya e surto de Zika no final de 2016.

Os relatos de epizootias suspeitas nas áreas rurais dos estados que fazem fronteira com a Argentina, Paraguai e Bolívia são motivo de preocupação, uma vez que o surto pode potencialmente se espalhar para um ou mais desses países devido a condições favoráveis ​​para a transmissão da febre amarela e níveis sub ótimos de cobertura vacinal . A introdução do vírus nestes países poderia potencialmente desencadear grandes epidemias de febre amarela.



Traduzido e Editado pelo Blog AR NEWS Se copiar é obrigatório citar o link 
FONTE:OMS 


Febre Amarela - OMS : a extensão geográfica do surto está aumentando
on
bom artigo -A OMS continua acompanhando a situação epidemiológica da Febre Amarela e emitindo uma avaliação dos riscos com base nas informações mais recentes disponíveis. Rating: 5

Comentários