3/08/2017

O surto anormal de febre amarela no Brasil merece atenção das autoridades de saúde do mundo

NIH / Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas
Esta é uma citação : Drs. Anthony S. Fauci e Catharine I. Paules
 08 de março de 2017




O surto anormal de febre amarela que está ocorrendo no Brasil merece atenção cuidadosa das autoridades de saúde do mundo, observa Anthony S. Fauci, MD, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), em um artigo para o New England Journal of Medicine .


O Dr. Fauci e seu associado Catharine I. Paules, MD, nota que este último surto de um vírus transmitido por mosquito aedes ,o vírus Zika, tem em comum o mesmo vetor,podendo disseminar a  febre amarela urbana. A Zika  ainda continua afetando países em toda as Américas.

Historicamente, a febre amarela tem cobrado milhões de vidas, incluindo milhares nos Estados Unidos. A epidemia da Filadélfia de 1793, por exemplo, matou aproximadamente dez por cento da população da cidade. Em sua forma mais grave, os sintomas da febre amarela incluem febre alta, manifestações hemorrágicas, insuficiência renal, disfunção hepática e icterícia (aparência amarelada dos olhos e da pele, o que dá nome à doença).

Uma vacina está disponível desde 1937 e confere imunidade vitalícia em até 99 por cento daqueles que a recebem. As extensas campanhas de imunização, juntamente com o controle efetivo dos mosquitos - especialmente nos países desenvolvidos - reduziram os casos de febre amarela em todo o mundo. No entanto, focos localizados em partes da África e América Central e do Sul representam cerca de 84.000 a 170.000 casos graves de doença e entre 29.000 e 60.000 mortes por ano.

O surto brasileiro é uma manifestação do ciclo de transmissão "silvestre", no qual os mosquitos da floresta espalham o vírus principalmente para primatas não-humanos, com seres humanos servindo apenas como hospedeiros incidentais. 


Neste momento, não há evidências de que o surto esteja se transformando em seu ciclo "urbano", mas as autoridades devem permanecer atentas a essa possibilidade, observam os autores. No ciclo urbano, o vírus da febre amarela é geralmente transmitido por mosquitos da cidade Aedes aegypti diretamente para as pessoas. Um ciclo urbano de febre amarela em Angola e na República Democrática do Congo que começou no final de 2015 causou 961 casos confirmados e 137 mortes. Durante esse surto, escreveu Drs. Fauci e Paules, a reserva de estoque de vacinas de emergência do mundo estava esgotada, Limitando o número de doses de vacina disponíveis e tornando o surto mais difícil de controlar. Para evitar uma ocorrência semelhante durante um futuro surto de febre amarela no Brasil ou em outros lugares, os autores observam que é necessário  "a identificação precoce dos casos e a rápida implementação de estratégias de gestão e prevenção da saúde pública, como o controle de mosquitos e a vacinação apropriada".

Em uma era de viagens internacionais freqüentes, um aumento nos casos de Febre Amarela no Brasil tem o potencial de espalhar a doença para áreas não endêmicas e pode representar sérios desafios de controle de surtos, observam os Drs. Fauci e Paules


Eles pedem aos clínicos, especialmente nos Estados Unidos e em outros lugares onde a febre amarela é incomum, que se informem sobre os sintomas da febre amarela e adotem um alto índice de suspeita para esse diagnóstico, particularmente ao examinar os viajantes que retornam das regiões afetadas.


Traduzido e Editado
Se copiar é obrigatório citar o link do Blog AR NEWS
História Fonte:
ARTICLE:
Catharine I. Paules and Anthony S. Fauci. Yellow fever: Once again on the radar screen in the Americas. New England Journal of Medicine DOI: 10.1056/NEJMp1702172 (2017)

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Faça seu comentário