The Economist : A febre amarela é ruim para as pessoas. Para primatas selvagens, pode ser catastrófica


Um surto de febre amarela no Brasil



A febre amarela é ruim para as pessoas. Para primatas selvagens, pode ser catastrófica


The Economist
16 de março de 2017


Macaco Bugio




"Tudo se foi", suspira Valmir Rossman enquanto examina a selva ao redor de sua plantação em Santa Maria,  no Espírito Santo. Rossman é fazendeiro de café. As tardes em sua plantação ecoavam os sons de macacos bugios (foto acima) proclamando seus territórios a possíveis intrusos. Desde meados de fevereiro, no entanto, ele diz que não ouviu nem viu um único deles - exceto por duas carcaças frescas que tropeçou onde os arbustos de café dão lugar à mata atlântica, nas colinas que marcam a borda da plantação.


A população de macacos-bugios do Espírito Santo está caindo. Os cadáveres de Rossman são dois entre os 900 encontrados este ano por Sergio Mendes, um primatologista da universidade federal do Espírito Santo(UFES), e sua equipe. Em um ano típico, o dr. Mendes esperava que seus pesquisadores se deparassem talvez com meia dúzia desses corpos durante o mesmo período. E algo semelhante está acontecendo em Minas Gerais, no vizinho interior do Espírito Santo. A análise dos restos sugere que o culpado é a febre amarela.




É fácil pensar na febre amarela, uma infecção viral transmitida por mosquito, como sendo apenas uma doença humana, mas outros primatas também podem pegá-la - e os macacos do Novo Mundo sofrem particularmente com este mal. Isso porque, até a descoberta européia das Américas, a febre amarela foi confinada ao Velho Mundo. Os animais co-evoluíram com o vírus e desenvolveram um grau de imunidade hereditária. Seus irmãos do Novo Mundo não tiveram essa oportunidade. O surto que agora grassa no Espírito Santo, Minas Gerais e partes de outros estados adjacentes está afetando tanto os macacos quanto as pessoas. Mas são os macacos que, pelo menos no momento, sofrem mais.




Picadas da realidade




A ideia de que animais selvagens são reservatórios de agentes patogênicos que passam a infectar humanos é bem conhecida, mas não bem estudada. O surto de febre amarela brasileira é uma oportunidade para pôr isso em prática: compreender melhor o tráfego patogênico de duas vias envolvidas e também o fato de que surtos podem causar danos a outras espécies além do Homo sapiens .


Do ponto de vista humano, o Brasil tem lidado bem com a febre amarela. Ela mata cerca de meia dúzia de pessoas por ano. Em comparação, a dengue que mata entre 300 e 800. Crucialmente, após uma grande campanha de vacinação na década de 1930, o último caso registrado no país de "ciclo urbano" da febre amarela foi em 1942. O ciclo urbano é o modo usual de transmissão que envolve um mosquito chamado Aedes aegypti , que também é responsável pela transmissão da dengue, Zika e vírus do Nilo Ocidental. Na febre amarela de ciclo urbano, o Aedes pica um ser humano infectado e depois carrega o vírus para outro humano, possivelmente não infectado. Em essência, esta é a transmissão de humano para humano.


Até agora todos os casos brasileiros desde 1942 foram infecções de "ciclo selvagem". Estes envolvem dois outros gêneros de mosquitos, o Haemagogus e o Sabethes , que são nativos das Américas. Normalmente, esses mosquitos passam a maior parte de seu tempo em copas das árvores, se alimentando sangue de macaco. De vez em quando, no entanto, picam um ser humano - por exemplo, quando os madeireiros estão na floresta. Se os insetos estiverem carregando o vírus, tais picadas passam a doença para aqueles que não estão vacinados. 



Aqueles humanos que são picados e infectados podem, no entanto, transmitir a doença para outras partes do país que, por estarem livres da doença,não há indicação da vacinação e consequentemente a sua população está desprotegida . Em 2000, por exemplo, foram encontradas cepas correspondentes a um surto no Pará, estado do norte do Brasil, em áreas distantes até 2.000 km, considerado muito longe para que o vírus se tenha deslocado sem ajuda do transporte mecanizado,isso segundo Pedro Vasconcelos, do Instituto Evandro Chagas, um laboratório do governo no estado do Pará, 


Nove anos atrás, 2 mil macacos morreram perto da fronteira do Brasil com o Uruguai. Em 2000, um número semelhante pode ter morrido no centro-oeste do país.





A explosão no Espírito Santo e Minas Gerais parece mais feroz. De acordo com o Dr. Mendes, a febre amarela pode eliminar de a 80-90% de uma população de macacos que carece de imunidade - o que os animais nestes dois estados não têm, uma vez que a doença já esteve ausente, e seu sistema imunológico não teve chance de aprender como responder. A contagem de corpos, ele diz, poderia chegar a dezenas de milhares. E desta vez, as pessoas estão morrendo também. Desde dezembro, 371 casos humanos, um terço deles fatais, foram registrados. A razão é semelhante à causa das mortes dos macacos: a falta de uma resposta imunológica adequada. 



As autoridades sanitárias estão agora em estado de alerta. Eles despacharam a vacina para as áreas afetadas com velocidade louvável. Isso deve parar o renascimento da transmissão do ciclo urbano. Entomologistas da UFES também estão armando armadilhas para capturar mosquitos, para tentar descobrir quais espécies estão carregando o vírus , se é os mosquitos da floresta ou o Aedes . Os mosquitos presos estão sendo enviados ao Instituto Evandro Chagas para identificação - tanto do vírus da Febre Amarela como dos vírus que eles podem estar abrigando.

No momento, os pesquisadores suspeitam que o vírus que causou este surto se originou de macacos na Amazônia ou no cerrado , na área de savana do Brasil. Se isso for confirmado, é um reservatório do qual a doença é impossível de erradicar.



Isso deixa as autoridades com duas possíveis respostas. A primeira é a que adotaram: reagir aos surtos quando ocorrem e aceitar infelizmente as consequências da doença. A segunda é retornar vacinação preventiva em massa, , que seria cara além das pessoas correrem o risco de vida, como resultado provavelmente, da reação à vacina. Essa segunda abordagem é improvável em face de um surto solitário, mas se outros seguirem , pode ser considerada. No caso deste surto específico, a resposta rápida das autoridades significa que as chances são de que ela será contida e depois eliminada rapidamente - pelo menos no que se refere às pessoas. Imaginamos o tempo que irá levar para que Rossman ouça seus macacos bugios novamente .


Traduzido e Editado
Se copiar é obrigatório citar o link do Blog AR NEWS
História Fonte:

The Economist 

Comentários