Fake News: Notícias falsas são uma ameaça para a saúde pública

Fake News,Falsas Notícias,Hoax,Boatos

Fake News: Notícias falsas são uma ameaça para a saúde pública

QUANDO AS NOTÍCIAS FALSAS DAS MÍDIAS SOCIAIS E INTERNET AMEAÇAM A SAÚDE PÚBLICA 



Enquanto as autoridades de saúde do Brasil se esforçam para conter o pior surto de febre amarela em décadas, o comércio de desinformação do WhatsApp,Facebook,Twitter e internet ameaçam passar de desestabilizadores sociais a uma mortal realidade . Incentivar a não vacinação é destruir a principal barreira de proteção contra as doenças letais, além de colocar em risco a saúde de terceiros . Há penalidades previstas no código penal em seu artigo 132, para quem assim procede, produzindo Hoax,Fakes News ,Boatos( notícias falsas) que atentem contra a saúde e a vida humana.



Em áreas remotas da bacia amazônica do Brasil, a febre amarela costumava ser um visitante raro, embora regular. A cada seis ou dez anos, durante a estação quente, os mosquitos distribuíam a doença para alguns madeireiros, caçadores e fazendeiros nas bordas das florestas no noroeste do país. Mas, em 2016, talvez impulsionado por mudanças climáticas, desmatamento ,ou ambos, o vírus mortal quebrou seu padrão.

A febre amarela começou a se expandir para o sul, mesmo durante os meses de inverno, e conforme o último boletim de 21 de março de 2018 ,entre os dias 1º de julho de 2017 e 20 de março deste ano, foram confirmados no país1.098 casos de febre amarela, sendo que 340 resultaram em morte . 


O vírus transmitido por mosquitos ataca o fígado, causando icterícia e hemorragia interna (os maias chamavam isso de xekik ou "vômito de sangue"). Hoje, essa pestilência está correndo em direção ao Rio de Janeiro e São Paulo, a uma velocidade de mais de 1,6Km por dia, transformando as megacidades costeiras do Brasil em mega-bombas de tempo. A única coisa que se espalha mais rapidamente do que a Febre Amarela, é a falta de informação sobre a importância e os perigos reais,não os criados por hoax, de uma vacina - A Vacina contra a Febre Amarela é única coisa que pode deter o avanço do vírus. 

Nos últimos meses, rumores de reações fatais a vacinas, conservantes de mercúrio e conspirações do governo surgiram com uma velocidade alarmante no serviço de mensagens criptografadas de propriedade do Facebook , que é usado por 120 milhões dos cerca de 200 milhões de residentes no Brasil. A plataforma há muito tempo incubou e proliferou notícias falsas,principalmente agora, com esse  surto de Febre Amarela no Brasil.  . 

Com seus modestos requisitos de dados, o WhatsApp é especialmente popular , e inúmeras pessoas contam com ele como sua principal plataforma de consumo de notícias. As autoridades de saúde do país se esforçam para conter o pior surto em décadas, mas o comércio de desinformação do WhatsApp ameaça passar de desestabilizador a mortal.


Em 25 de Janeiro, autoridades de saúde do Brasil lançaram uma campanha em massa para vacinar 95% dos residentes nos 69 municípios diretamente no caminho da doença - um total de 23 milhões de pessoas. Uma vacina contra a febre amarela é obrigatória desde 2002 para qualquer brasileiro nascido em regiões onde o vírus é endêmico. Mas nos últimos dois anos, a doença ultrapassou a faixa normal em territórios onde menos de um quarto das pessoas estão imunes, incluindo as áreas urbanas do Rio e de São Paulo.

Na época do anúncio, o falso ciclo de notícias já estava em andamento. No início do mês, uma mensagem em áudio de uma mulher que afirmava ser uma médica em um conhecido instituto de pesquisa começou a circular no WhatsApp, alertando que a vacina é perigosa. (O instituto negou que a gravação tenha vindo de algum de seus funcionários). Algumas semanas depois, foi uma história ligando a morte de um estudante universitário à vacina. (Isso também provou ser um relatório falso). Em fevereiro, apareceu uma mensagem e dois vídeos sugerindo que a vacina contra a febre amarela era na verdade uma fraude destinada a reduzir a população mundial. Tudo isso não é uma conspiração global dos illuminati para matar os Brasileiros,mas uma conduta inapropriada de muitos no curso dessa grave doença.

“Esses vídeos são muito sofisticados, com boa edição, depoimentos de especialistas e experiências pessoais”, diz o pesquisador da FIOCRUZ Sacramento. É o mesmo formato jornalístico que as pessoas assistem na TV, por isso tem a forma da verdade. E quando as pessoas compartilham esses vídeos ou notícias em suas redes sociais como mensagens pessoais, isso altera o cálculo de confiança. “Estamos transicionando de uma sociedade que experimentou a verdade baseada em fatos para uma sociedade baseada em sua experiência da verdade na intimidade, na emoção, na proximidade”.

As pessoas são mais propensas a acreditar em rumores de familiares e amigos. Não há algoritmo mediando a experiência. E quando essa desinformação vem na forma de textos e vídeos encaminhados eles recebem outra camada de legitimidade. Então você obtém o efeito de composição da rede; Se você estiver em vários bate-papos em grupo e receber todas as notícias falsas, a repetição as tornará ainda mais convincentes.

Claro, tudo isso são apenas teorias. Por causa da criptografia de ponta a ponta do WhatsApp e da natureza fechada de suas redes, é quase impossível estudar como a desinformação se move através dela. “Eu acho que as campanhas de hoaxes e desinformação do WhatsApp são um pouco mais perniciosas do que o Facebook, porque sua difusão não pode ser monitorada”, diz Pablo Ortellado, um pesquisador de notícias e professor de políticas públicas da Universidade de São Paulo. A informação errônea no WhatsApp só pode ser identificada quando ela pula para outros sites de mídia social e passa para o mundo real.


No BRASIL, outras histórias que circulam no WhatsApp agora estão sendo compartilhadas em grupos do Facebook com milhares de usuários, principalmente mães preocupadas trocando relatos e medos. E nas ruas do Rio e de São Paulo, algumas pessoas estão se afastando dos trabalhadores de saúde com jalecos brancos.Em 27 de fevereiro, apenas 5,5 milhões de pessoas haviam recebido a vacina, embora seja difícil dizer quanto do início lento se deve a notícias falsas, em vez de atrasos logísticos. Um porta-voz do Ministério da Saúde disse em um e-mail que a agência tem visto um aumento na preocupação dos moradores com eventos adversos pós-vacinação desde o início do ano e reconheceu que a disseminação de notícias falsas através da mídia social pode interferir na vacinação, mas não comentou sobre seu impacto específico nesta última campanha.


Um porta-voz do WhatsApp apontou os benefícios para a saúde pública de tornar as comunicações mais baratas e mais confiáveis ​​para milhões de pessoas, embora reconheça que algumas delas infelizmente encontraram formas de abusar da plataforma. "Encorajamos as pessoas a pensar duas vezes antes de encaminhar mensagens suspeitas", escreveu o porta-voz em um email. "As pessoas sempre podem relatar conteúdo problemático ao WhatsApp para que possamos estar cientes para tomarmos medidas cabíveis." 


Enquanto o Ministério da Saúde se envolveu em uma operação de educação pró-vacina muito ativa - publicando boletins semanais, postando nas redes sociais e colocando pessoas em igrejas, templos, sindicatos e clínicas - pesquisadores de comunicação em saúde como Sacramento dizem que as autoridades da saúde fizeram um erro gritante. Eles não prestaram atenção suficiente na linguagem.


Em cima de tudo isso, há uma escassez global de vacinas contra a febre amarela acontecendo no momento. A vacina está disponível em um número limitado de clínicas nos EUA, mas só é usada aqui quando há viagens para áreas no mundo com recomendação da vacina. Até agora, este ano, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças não registraram casos do vírus dentro das fronteiras dos EUA, embora à luz do surto ele tenha emitido um aviso de viagem Nível 2 em janeiro, instando todos os americanos que se dirijam aos estados afetados no Brasil. para tomarem a vacina .


Por ser endêmica no país, o Brasil produz sua própria vacina e atualmente está aumentando a produção de 5 milhões para 10 milhões de doses por mês até junho. Mas nesse ínterim, as autoridades estão administrando doses menores conhecida como uma “dose fracionada”. É uma manobra de emergência bem demonstrada, que impediu um surto de febre amarela na República Democrática do Congo em 2016. Segundo a OMS , é "a melhor maneira de estender o estoque de vacinas e proteger o maior número possível de pessoas". Mas uma dose parcial, garante por apenas 12 meses a proteção, e foi recebida com desconfiança no Brasil, onde uma única vacinação sempre foi realizada e determinava proteção durante a vida inteira .


“A população em geral entendia o termo 'fracionado' como fraco”, diz Sacramento. Embora tecnicamente correta, a palavra assumiu um significado mais sinistro à medida que se espalhava pelos círculos da mídia social. Alguns vídeos afirmavam que a vacina fracionada poderia causar insuficiência renal. E apesar de não ser dados científicos, eles não estão completamente errados.

Como qualquer medicamento, a vacina contra a febre amarela pode causar efeitos colaterais. Entre 2 e 4 por cento das pessoas experimentam dores de cabeça leves, febres de baixo grau ou dor no local da injeção. Mas também houve relatos raros de reações alérgicas com risco de vida e danos ao sistema nervoso e outros órgãos internos. Segundo o Ministério da Saúde, seis pessoas morreram em 2017 por conta de uma reação adversa à vacina. A agência estima que uma em cada 76.000 terá uma reação anafilática, uma em 125.000 sofrerá uma reação severa do sistema nervoso, e uma em 250.000 sofrerá uma doença com risco de vida com falência de órgãos. O que significa que se 5 milhões de pessoas forem vacinadas, você acabará com cerca de 20 falhas em órgãos, 50 problemas no sistema nervoso e 70 choques alérgicos. Claro, se a febre amarela infectar 5 milhões de pessoas.

Nem todas as notícias falsas são 100% falsas. Mas elas estão fora de proporção com a realidade. Esse é o problema das mídias sociais. Pode amplificar coisas reais, mas estatisticamente improváveis, da mesma forma que espalha coisas totalmente inventadas. O que você acha é uma mistura obscura de informações que tem a "verdade" suficiente para alcançar uma credibilidade na população.

E isso dificulta muito a luta. Sacramento diz que muitas vezes os funcionários de saúde optam por enquadrar esses rumores como uma dicotomia: "Isso é verdade ou isso é um mito?" Isso afasta as pessoas da ciência. Em vez disso, a instituição onde ele trabalha começou a produzir vídeos específicos para mídias sociais que iniciam um diálogo sobre a importância das vacinas, enquanto permanecem abertos aos medos das pessoas. “O Brasil é um país cheio de desigualdades e contradições sociais”, diz ele. “A única maneira de entender o que está acontecendo é conversar com pessoas que são diferentes de você.”

Editado e traduzido do artigo original em inglês de 
MEGAN MOLTENI

Se copiar é obrigatório citar o link da postagem do Blog AR NEWS

Comentários

Recentes