Uma nova ameaça : Bactérias agressivas resistentes a antibióticos em carne de frango

Uma nova ameaça : Bactérias agressivas resistentes a antibióticos em carne de frango 


      Ameaça do crescimento de uma "superbactéria" na carne de frango


Um novo relatório da Agência Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) indica que existem níveis cada vez maiores de bactérias agressivas resistentes a antibióticos em carne de frango vendida na UE. Este primeiro estudo pan-europeu baseia-se em amostras a partir de 2016. 
carne de frango

Por exemplo , bactérias coli , que geralmente são inofensivas ou mesmo benéficas quando encontradas nos intestinos dos seres humanos ou animais, podem causar infecções quando aparecem em outro lugar. Estes problemas geralmente podem ser resolvidos com antibióticos - mas algumas bactérias também podem se defender através da quebra desses antibióticos em uma forma inofensiva, usando enzimas ESBL.

" As bactérias E. coli são micróbios normais em nosso sistema digestivo, mas em certas condições também podem causar infecções graves. E quando eles têm a habilidade de produzir ESBL, as drogas não são efetivas ", diz o Dr. Annamari Heikinheimo, pesquisador e palestrante em higiene alimentar da Universidade de Helsinque. 

Mais de metade dos frangos da UE afetados 

A incidência de bactérias coli que podem produzir ESBL ou as enzimas AmpC e similares na carne de frango variam muito na UE. De acordo com o novo estudo da EFSA, a Finlândia apresentou incidência dessas bactérias em frango em 22 por cento das amostras. Na Bélgica, elas foram encontrados em praticamente toda a carne de frango. A média da UE é de 57%. 

"Quando você olha mais de perto para a gama de enzimas bacterianas, muitas vezes é muito mais ampla no sul e na Europa central do que na Finlândia", diz Heikinheimo. "Em nossa bactéria de frangos de corte, você encontra basicamente um tipo de enzima que, a meu ver, é rara em infecções , a ESBL humanas na Finlândia". 

Segundo Heikinheimo, os dados refletem o nível extremamente elevado de higiene alimentar da Finlândia, que é resultado da cooperação a longo prazo. 
"Na Finlândia, funcionários, pesquisadores e empresas interagem de perto. Como somos um país pequeno, espero que essa cooperação continue. Eu monitorei muitos outros países onde a situação não é assim ". 

Heikinheimo toma a salmonela como exemplo. Quando a Finlândia aderiu à UE em 1995, foi concedida uma isenção especial para a sua própria legislação anti- salmonela . 

"A incidência de salmonelas nas fazendas finlandesas é inferior a um por cento", diz o pesquisador. "Quando você não tem salmonela , você também não tem o problema da salmonela resistente. O relatório da EFSA observa que pessoas em outros lugares da Europa têm infecções relacionadas com a salmonela muito difíceis que geralmente não podem mais ser tratadas eficazmente com antibióticos ".
Editado e traduzido 
Se copiar é obrigatório citar o link do BLOG AR NEWS
fonte- https://yle.fi/

Comentários

Recentes