Surto humano raro de malária de macacos foi detectado na Malásia


Macaco
Macaco

Surto humano raro de malária de macacos foi detectado na Malásia


Várias pessoas na Malásia foram infectadas com uma espécie de parasita da malária do macaco que, até recentemente, havia sido registrada em apenas uma pessoa fora do laboratório.

Embora apenas alguns casos tenham sido detectados, os pesquisadores estão preocupados que a contínua destruição do habitat da floresta dos macacos esteja aumentando a quantidade de contato entre pessoas e primatas, proporcionando mais oportunidades para que as infecções saltem para as pessoas.

Em janeiro, os pesquisadores identificaram o parasita Plasmodium cynomolgi em cinco pessoas sendo tratadas por malária em hospitais e clínicas em torno de Kapit, uma área de florestas densas no centro da ilha de Bornéu. Embora testes de laboratório nos Estados Unidos nos anos 60 tenham mostrado que mosquitos podem transmitir o parasita de macacos para humanos, os pesquisadores pensavam que, na natureza, o P. cynomolgi era transmitido apenas entre os macacos. Essa visão mudou em 2014, quando um estudo reexaminou amostras de pacientes com malária e descobriu que um paciente malaio havia sido infectado com P. cynomolgi em 2011.

O especialista em malária Balbir Singh da Universidade da Malásia Sarawak apresentou os últimos casos em uma reunião científica da Sociedade Malaia de Parasitologia e Medicina Tropical, realizada em Kuala Lumpur no mês passado. Ele diz que muitos mais casos de P. cynomolgi em humanos podem ser detectados se os pesquisadores procurarem por eles. Singh foi capaz de detectar os casos porque seus testes usaram - seqüências curtas de DNA direcionado - que poderiam distinguir P. cynomolgi de parasitas intimamente relacionados.

É improvável que o parasita dos macacos inicie uma emergência de saúde pública, dizem os pesquisadores. Não parece causar doenças graves nas pessoas, e pode ser tratada com medicamentos antipalúdicos, diz José Rubio, cientista da malária no Instituto de Saúde Carlos III, em Madri.

Mas a cientista de malária Bridget Barber, da Escola de Pesquisa em Saúde Menzies, em Darwin, Austrália, diz que será importante determinar a prevalência de P. cynomolgi em populações humanas em outras áreas e estudar se a espécie pode causar doença grave. Ela diz que é cedo demais para comentar sobre a carga de saúde do parasita.

Barber suspeita que as infecções por P. cynomolgi ocorrem em pessoas há anos, mas pode ser diagnosticado erroneamente para outro parasita da malária humana, o Plasmodium vivax, que parece similar. Ferramentas rotineiras de diagnóstico da malária, como a microscopia e testes genéticos, como a reação em cadeia da polimerase, podem não ser capazes de distinguir entre as duas espécies , diz ela.

Um salto nos encontros

O P. cynomolgi é a segunda espécie de parasita da malária conhecida por infectar macacos e humanos na natureza. Em 2004, Singh e sua equipe descobriram que um parasita de macaco diferente, Plasmodium knowlesi , também estava causando malária em humanos. Desde então, pacientes infectados com P. knowlesi foram relatados em todo o sudeste da Ásia. Em 2013, esses casos causaram 57% das infecções por malária na Malásia, e o número de novos casos continua a aumentar a cada ano. P. knowlesi pode causar doenças graves se não for tratado. Os cinco indivíduos diagnosticados com P. cynomolgi também foram infectados com P. knowlesi , diz Singh.

O aumento das infecções por malária entre os seres humanos ocorre em um momento em que os cientistas estão cada vez mais preocupados com o efeito do desmatamento na disseminação de doenças. Poderia ser mais fácil para algumas infecções símias saltar entre os macacos e os humanos, dizem eles: a proximidade com os macacos aumenta as chances de uma pessoa ser picada por mosquitos infectados com malária. “Os parasitas da malária podem ser promíscuos em sua especificidade de hospedeiro”, diz Richard Culleton, um cientista de malária da Universidade de Nagasaki, no Japão. "Eles às vezes pulam entre espécies"

Um estudo de 2016 na ponta norte de Bornéu encontrou uma alta incidência de P. knowlesi entre humanos em aldeias que limparam algumas das florestas que os cercavam. A líder do estudo Kimberly Fornace, pesquisadora de malária na Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, diz que os macacos se aproximaram dos assentamentos humanos depois que suas florestas foram derrubadas. Eles também encontraram pessoas vivendo mais perto de habitats de macacos. Para descobrir se as mudanças no uso da terra também levaram a transmissão do P. cynomolgi aos seres humanos, os pesquisadores teriam que determinar se as pessoas com a infecção tinham viajado para florestas onde o parasita é encontrado em macacos, diz Fornace.

Embora as infecções por P. cynomolgi possam ainda não representar um grande problema de saúde, dizem os pesquisadores, quaisquer novas infecções tornam mais difícil para as autoridades de saúde pública e governos eliminar a malária nessas regiões. Os hospedeiros de P. cynomolgi , macacos de cauda longa e rabo-de-porco ( Macaca fascicularis e Macaca nemestrina , respectivamente) vivem no sudeste da Ásia. Isso complica os esforços para erradicar a malária, dizem os pesquisadores, porque existe um vasto reservatório do parasita dentro da população de macacos. "Temos combatido a malária com drogas e mosquiteiros, mas não podemos aplicar essas medidas em macacos selvagens", diz Culleton.

Se as pessoas estão constantemente em risco de exposição a parasitas da malária do macaco nas margens das florestas, essas áreas não podem ser consideradas livres da malária, diz ele. “Isso se torna um problema real. E não tenho certeza de qual é a solução.


Editado e Traduzido

Fonte: Nature.com

Comentários

Recentes