Vigilância de Enterovírus e Parechovírus Humano : Propagação,Quadro Clínico,Diagnóstico,Tratamento e prevenção

Os Enterovírus (EVS) e os parechovirus humanos (HPeVs) são pequenos vírus, sem envelope de RNA , que são conhecidos ou suspeitos de causarem um espectro de manifestações clínicas em humanos. Embora a maioria das pessoas infectadas sejam assintomáticas, as apresentações leves podem incluir infecções respiratórias, herpangina na mão, pé e boca. Entre as síndromes mais graves associadas à infecção por EV e HPeV estão a paralisia flácida aguda, meningite, encefalite, miocardite e sepse. Recém-nascidos e crianças estão em maior risco de infecção



Paraechovirus   



Parechovirus é um gênero de vírus na ordem picornavirales , na família Picornaviridae . As ratazanas  e os seres humanos servem como anfitriões naturais. Atualmente, existem apenas duas espécies neste gênero, incluindo a espécie do tipo Parechovirus A , também chamado parechoviroses humanas e Parechovirus B , mais comumente conhecido como o vírus Ljungan. As doenças associadas com este gênero incluem: parechoviroses humanas: com manifestação leve, gastrointestinal ou uma doença respiratória- eles têm sido implicados em casos de encefalite e miocardite; O Vírus Ljungan: pode ser um vírus zoonótico associado com diabetes e morte fetal intra-uterina em seres humanos. 


A replicação viral é citoplasmática. A entrada na célula hospedeira é conseguida pela ligação do vírus aos receptores dos hospedeiro, que medeia a endocitose. A replicação segue o modelo de replicação do vírus ARN de cadeia positiva. A transcrição do vírus de ARN positivo é o método de transcrição. O vírus sai da célula hospedeira por lise. As ratazanas e o ser humano servem como o anfitrião natural.

As Parechoviroses humanas são comumente espalhados e mais de 95% dos casos humanos são infectados no início da vida, dentro de dois a cinco anos de idade. 

O Parechovirus B tem sido proposto como um vírus zoonótico  relacionado com a diabetes e morte fetal intrauterina em seres humanos. No entanto, os dados relativos a esses recursos são atualmente limitados e precisam ser confirmados.

História 


Myodes glareolus   

As primeiras parechoviroses (E22 e E23) foram isoladas em 1956, e reconhecidas como um novo gênero em 1996. ) Parechovirus B foi isolado pela primeira vez a partir de ratazanas (Myodes glareolus, anteriormente glareolus Clethrionomys) em meados dos anos 1990.

O Parechovirus Humano tipo 3 (HPeV3) foi encontrada em pelo menos 20 jovens nascidos nos EUA em 2014. Esses números incluem um conjunto de trigêmeos idênticos do centro de Wisconsin , que contraíram o vírus e foram diagnosticados quase dois meses mais tarde, após uma onda de testes, já que foi o primeiro caso conhecido nesses sistemas de saúde. Em 2014 o surto foi maior do que o esperado, e pode estar  ligado à transmissão materno-fetal.



Propagação do parechovírus 


O Parechovírus é espalhado de pessoa a pessoa por contato direto com nariz e garganta  (saliva, escarro ou muco nasal),por Gotículas de Flugge as quais são partículas líquidas expelidas para o ar quando uma pessoa fala, tosse ou espirra.. Essas gotículas transportam agentes infecciosos,e foram descritas pelo bacteriologista alemão Carl Flügge , além das fezes de pessoas infectadas.



Diagnóstico do parechovírus

O diagnóstico pode ser feito pelo seu médico com base nos sintomas. Testes geralmente não são necessários para a doença leve, mas seu médico ou um especialista do hospital pode solicitar testes específicos para parechovírus  quando existir uma doença mais grave.

Tratamento para parechovírus

Não há tratamento específico para o parechovírus. Febre em crianças menores de seis meses de idade precisa de revisão por um médico. Se a diarreia estiver presente, ofereça à criança muitos líquidos e soro caseiro .Consulte o seu médico imediatamente.


Prevenção do parechovírus

Não existe vacina disponível contra parechovírus.

Uma boa higiene pessoal é essencial para evitar a propagação do parechovírus , tanto para os infectados como para os seus cuidadores. Isso inclui:

Lavar as mãos com sabão e água depois de ir ao banheiro, antes de comer, depois de limpar os narizes e depois de trocar fraldas ou roupas sujas

Lavar e limpar cuidadosamente quaisquer roupas e superfícies sujas ou brinquedos que possam estar contaminados

Usar utensílios separados para comer e beber.

Não há nenhum tratamento específico e nenhuma vacina disponível contra o parechovírus.



Veja também:

Doença Idiopática (Desconhecida) faz segunda vítima na Bahia


Doença de Haff : síndrome que consiste de rabdomiólise não explicada


Diagnóstico diferencial :Dengueinfluenzavírus da febre do NiloFebre AmarelaFebre MaculosahantavirosehepatitesMaláriaMeningitePesteVírus SincicialAdenovírus,Febre Tifóide,Doença de Haff ,ZikaVírus MayaroChikungunya,Parechovírus Humano e outras mais!



Traduzido e editado pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original e o blog ALAGOAS REAL

Fontes:
CDC
ECDC
Governo da Austrália


Item Reviewed: Vigilância de Enterovírus e Parechovírus Humano : Propagação,Quadro Clínico,Diagnóstico,Tratamento e prevenção
Rating: 5
Reviewed By: AR NEWS

Comentários