Febre amarela invade megacidades, sobrecarregando a oferta global de vacinas

Febre amarela invade megacidades, sobrecarregando a oferta global de vacinas


Surto epidêmico de Febre Amarela nas megacidades do Brasil
Surto epidêmico de Febre Amarela nas megacidades do Brasil


Pela primeira vez, o Brasil está tentando uma campanha nacional de imunização contra a febre amarela.

Um surto atual da doença transmitida por mosquitos matou centenas de pessoas em partes do Brasil, onde a febre amarela tradicionalmente não era considerada uma ameaça e a maioria dos moradores não tinham vacinação prévia.

"Podemos chamar isso de o maior surto nos tempos modernos", diz o Dr. Mauricio Lacerda Nogueira, presidente da Sociedade Brasileira de Virologia . "Desde meados do século 20, nunca tivemos um surto deste tamanho."

Em um ano normal, algumas dezenas de pessoas no máximo adoecem com febre amarela no maior país da América do Sul. Mas, desde 2016, o Brasil confirmou mais de 1.900 casos e registrou pelo menos 590 mortes pela doença.

Isso é bastante surpreendente por vários motivos:

  • O Brasil é um país que efetivamente reprimiu os surtos de febre amarela no passado. 
  • O país é um dos maiores produtores de vacinas contra a febre amarela no mundo. 
  • E tem um sofisticado sistema de saúde pública que rotineiramente vacina para a febre amarela em quase todo o país.

Então, por que, quase dois anos após o início do surto, o Brasil ainda está lutando para pará-lo?

Dr. Pedro Fernando Vasconcelos , chefe do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Febres Hemorrágicas Virais, diz que o surto pegou o país desprevenido.

"Todas as pessoas que morreram estavam fora da área recomendada de vacinação", diz Vasconcelos.

Os casos atuais estão agrupados em áreas rurais ao redor das megacidades de São Paulo e Rio de Janeiro. Estas são partes do país onde os médicos raramente costumavam ver a febre amarela.

Os pesquisadores ainda estão tentando determinar o que causou essa mudança.

O vírus da febre amarela é endêmico nas florestas tropicais do Brasil, onde circula entre macacos e mosquitos. Casos humanos surgem quando madeireiros, fazendeiros ou mineiros que trabalham perto da floresta são picados por mosquitos infectados.

Como o próprio nome sugere, a doença vem com febre. Em casos leves, a pessoa pode parecer ter pouco mais que uma gripe. Em casos graves, o paciente pode sofrer danos hepáticos e renais graves, o que causa icterícia que dá aos olhos e à pele uma coloração amarelada. Os piores casos causam insuficiência cardíaca e hepática, o que pode matar um paciente em uma semana.

O grande medo de uma perspectiva de saúde pública agora ,é que a febre amarela possa se espalhar para uma área urbana e começar a correr solta em uma das cidades mais populosas do Brasil. Até agora isso não aconteceu neste surto, mas os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças vêem isso como uma possibilidade. No mês passado, o CDC recomendou que os viajantes, mesmo nas megacidades de São Paulo e Rio de Janeiro, fossem vacinados.


"Quero dizer, os macacos estavam morrendo nas áreas de parques nos arredores de São Paulo", diz Martin Cetron , chefe da divisão de migração global e quarentena do CDC.

"Há um número crescente de pontos quentes no Brasil, onde o vírus da febre amarela está sendo transmitido. Essas são áreas atípicas em grandes estados que não tinham visto anteriormente essa quantidade de atividade viral em décadas", diz ele. Cetron é o principal autor de um novo relatório do CDC recomendando que os viajantes para a maior parte do Brasil sejam vacinados contra a febre amarela.

O único problema é que a única vacina contra a febre amarela licenciada para venda nos EUA não está disponível no momento.

"No momento, a vacina contra a febre amarela licenciada pelos EUA, YF-vax, está fora de estoque", diz Cetron. O CDC elaborou um acordo com a Food and Drug Administration para permitir que a empresa farmacêutica francesa Sanofi Pasteur importe temporariamente a Stamaril.

O Stamaril é amplamente usado fora dos EUA e é considerado tão eficaz quanto o YF-vax. "O desafio é que apenas um número limitado de clínicas nos Estados Unidos tem Stamaril", diz Cetron. O CDC postou onde a Stamaril está disponível em seu site .

O Brasil, entretanto, também enfrenta uma escassez significativa de vacinas. Em 2016, antes que o problema doméstico da febre amarela no Brasil se tornasse evidente, o Brasil enviou milhões de doses de seu próprio arsenal para combater um surto em Angola que se espalhou para a República Democrática do Congo. Agora o Brasil não tem vacinas suficientes para imunizar as 23 milhões de pessoas nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, consideradas de risco imediato.

"Especialmente nas grandes cidades como São Paulo e Rio de Janeiro eles estão usando doses fracionadas", diz o Dr. Nogueira. Uma dose "fracionada" é quando as autoridades de saúde dividem uma dose normal de vacina em partes menores para estender seu suprimento. No Brasil eles estão dando às pessoas um quinto do valor normal.

"Precisamos fazer isso agora e depois voltar novamente e fazer uma dose completa, se necessário", diz Nogueira. "Temos que tratar isso como uma medida paliativa. Faça isso o mais rápido que pudermos e depois temos que analisar como isso é eficaz."

Doses fracionadas de febre amarela têm sido usadas em outros surtos e parecem oferecer pelo menos imunidade a curto prazo à doença. Acredita-se, no entanto, que a dose total protege a pessoa por toda a vida. Assim, uma desvantagem da dosagem fracionada é que todos os receptores podem precisar ser vacinados novamente mais tarde.

Os brasileiros têm clamado pela vacina. A falta ficou tão ruim em fevereiro que, em determinado momento, um líder de gangue no Rio sequestrou dois vacinadores da saúde e fez com que imunizassem os moradores de sua favela. A mídia social saudou-o como o moderno Robin Hood.

O Brasil está tentando produzir mais vacinas para atender à enorme demanda, mas o processo é lento e complicado.

"A vacina é feita em ovos de galinha embrionados, livres de patógenos específicos - o que significa que você tem que ter rebanhos especiais de galinhas limpas colocando os ovos", diz Tom Yuill, professor emérito da Universidade de Wisconsin que monitora surtos de doenças, incluindo febre amarela, para ProMed na Sociedade Internacional de Doenças Infecciosas. Se você está se perguntando o que é um ovo de galinha "embrionado", é um óvulo que não é apenas fertilizado, mas no qual o embrião começou a se desenvolver.

"O processo de fabricação é lento e tedioso", diz Yuill. "Leva tempo para aumentar. Você precisa obter ovos suficientes para fazer isso. Não é muito eficiente."

Ele diz que este atual surto no Brasil, além de um pequeno surto no ano passado na Nigéria, esticou os estoques globais de vacinas até seus limites. Se outro grande surto de febre amarela irromper em algum lugar, diz ele, o mundo está mal equipado para reprimi-lo.

"Isso é realmente o que me mantém acordado à noite", diz Yuill.

Os mesmos mosquitos que disseminam a dengue também são capazes de espalhar a febre amarela. No entanto, em muitas partes do mundo que regularmente têm surtos significativos de dengue, as pessoas não são regularmente imunizadas para a febre amarela.

"Você pensa no sudeste da Ásia e no sul da Ásia, a esmagadora maioria da população nesses países não foi vacinada", diz Yuill.

Se um surto de febre amarela começar na Índia ou no Paquistão, ele diz, pode ser um desastre. "Mesmo se houvesse vacinas disponíveis, seria difícil conter. Na ausência de estoques de vacinas contra a febre amarela , acho que seria extraordinariamente difícil superar um surto como esse - o que significaria muitas pessoas mortas."


Editado e traduzido

Fonte: JASON BEAUBIEN
https://www.npr.org/





Comentários

Recentes