Febre Amarela - Áreas com evidência de circulação viral e a intensificação da vigilância no Brasil



Considerando a aproximação do período sazonal da doença no verão entre 2016 e 2017 e a reemergência do vírus na região extra-amazônica a partir de 2014, todas as unidades federadas devem ampliar a vigilância por meio da notificação de todo evento suspeito (Casos humanos e epizootias de PNH) em até 24 horas, acompanhada da investigação oportuna (em até 48 horas); visando a detecção precoce e a resposta coordenada dos serviços de saúde publica.


Para efeito de intensificação da vigilância, controle e imunização, os municípios com evidência de circulação do vírus (caso humano/epizootia confirmada) são classificados como “área afetada”, e os municípios limítrofes são classificados como “área ampliada” (Figura 5). Para essas duas áreas, são recomendadas as seguintes medidas de vigilância e controle a partir da suspeita:


  • Intensificar a vigilância de casos humanos e epizootias em PNH, notificando e investigando os eventos suspeitos oportunamente;
  • Realizar busca ativa de indivíduos sintomáticos nas áreas de LPI e imediações;
  • Orientar o sistema de saúde regional e alertar para estratégias alternativas para detecção de casos por meio de estratégias que incluam:
  • Vigilância de Síndromes febris agudas com icterícia e/ou hemorragia;
  • Núcleos de Vigilância epidemiológica hospitalar, e;
  • Investigação de óbitos humanos sem causa conhecida
  • Realizar busca ativa de PNH doentes ou mortos nas áreas de LPI e imediações;
  • Realizar investigação e a obtenção de amostras para o diagnostico etiológico;
  • Realizar investigação entomológica, quando indicado;
  • (Vide páginas X e X1, disponível aqui)
  • Nos focos de regiões da Área Com Recomendação de Vacina (ACRV):
  • Realizar vacinação de bloqueio, seletiva: (i) vacinar pessoas ainda não imunizadas ou (ii) que foram vacinadas apenas uma vez na vida e há mais de 10 anos.
  • Nos focos de regiões de Área Sem Recomendação de Vacina (ASRV):
  • A vacinação de bloqueio deve ser analisada caso a caso e decidida em conjunto por todas as esferas de gestão do SUS (SMS, SES, SVS/MS), que levará em conta as evidências que demonstrem a transmissão ativa; o cenário epidemiológico e a avaliação de risco do evento.
  • Ampliar o controle vetorial urbano (Aedes aegypti), como estratégia adicional para reduzir o risco da transmissão urbana.



Figura 5. Distribuição geográfica das áreas Afetadas e Ampliadas para efeito de localização dos focos de transmissão da febre Amarela e intensificação das ações de vigilância, prevenção e controle no Brasil, de julho de 2014 a dezembro de 2016.





FONTE- MS BRASIL

Comentários